Em jogo com novos testes, Brasil reencontra a França em palco especial para Marta

O Torneio Internacional da França vem sendo encarado pela seleção brasileira feminina como uma ótima oportunidade para testes. Não será diferente neste sábado, quando a equipe vai enfrentar a anfitriã da competição amistosa, o time nacional da França, a partir das 17 horas (de Brasília), em Valenciennes. E o compromisso estará envolto por aspectos especiais.

Foi, afinal, diante da seleção francesa que o Brasil encerrou a sua participação no Mundial de 2019, com derrota nas oitavas de final, por 2 a 1, em um jogo emocionante, que acabou sendo definido apenas na prorrogação.

A eliminação provocou uma mudança no comando da seleção brasileira, que trocou Vadão por Pia Sundhage. E agora as equipes vão se reencontrar em um momento bem diferente, pois a treinadora sueca tem aproveitado essa competição para avaliações visando a Olimpíada de Tóquio.

Tanto é que Marta nem deverá começar a partida deste sábado como titular. E logo em um palco especial para ela, pois foi exatamente em Valenciennes, no Stade du Hainaut, que a craque marcou o gol do triunfo por 1 a 0 sobre a Itália em junho de 2019, chegando aos 17 em Mundiais de seleções, o que a tornou a maior artilheira da história da competição entre homens e mulheres, superando o alemão Miroslav Klose.

Marta, porém, não deverá iniciar em campo o reencontro com o estádio de Valenciennes e a seleção francesa porque Pia está mais preocupada em fazer testes na seleção. Assim, em relação ao time que empatou por 0 a 0 com a Holanda na estreia na competição amistosa e de acordo com os testes realizados pela treinadora, apenas a zagueira Daiane, as volantes Formiga e Luana, e a meia-atacante Andressa Alves vão disputar a segunda partida seguida como titulares no torneio francês.

O time contará com o retorno de Bárbara ao gol. E Andressinha também receberá chance no setor ofensivo. Isso se confirmando, o Brasil vai entrar em campo com: Bárbara; Letícia Santos, Tayla, Daiane e Tamires; Formiga, Luana, Andressinha e Andressa Alves; Bia Zaneratto e Cristiane.

"Nós estamos pensando sobre o time de amanhã. Queremos dar oportunidades para as jogadoras atuarem 45 ou 90 minutos. Com certeza, iremos mudar muito a equipe. Temos três jogos para descobrir qual time irá para os Jogos Olímpicos. São três bons jogos e, por isso, teremos três escalações diferentes", afirmou a treinadora.

Neste sábado, também estará em jogo a invencibilidade da técnica sueca Pia no comando do Brasil - após nove jogos desde a sua contratação em agosto do ano passado, são seis vitórias e três empates.

"Eu acredito em duas coisas, primeiramente, se você ganha ou não se perde o jogo, você ganha mais confiança. Assim é o futebol, essa é uma parte da verdade. A outra parte é que se nós acreditarmos que estamos no mesmo caminho, isso faz a diferença. Essas duas coisas juntas, espero que nos prepare bem para os Jogos Olímpicos. Teremos mais jogos vindo por aí e contra boas equipes, teremos boas respostas", acrescentou a treinadora.

Rival do Brasil, a França estreou no quadrangular com vitória por 1 a 0 sobre o Canadá, com gol de Viviane Asseyi, e ficará muito próxima da conquista da taça caso imponha a Pia a sua primeira derrota à frente da seleção.

Na rodada final, na terça-feira, as brasileiras vão encarar o Canadá. Depois, em abril, disputará amistosos diante de Costa Rica e Estados Unidos. Serão os últimos testes antes da definição do elenco que buscará uma medalha olímpica nos Jogos de Tóquio.