Dudamel responde reclamações de Nathan e critica diretoria do Atlético-MG

Após ser criticado pelo meio-campista Nathan, o técnico venezuelano Rafael Dudamel respondeu à altura, disparando tanto contra o jogador quanto contra a diretoria do Atlético-MG, clube onde ficou por apenas dois meses no início da temporada. O treinador afirmou que os dirigentes do clubes não foram profissionais com ele e o presidente, Sergio Sette Câmara, nem mesmo conversou com ele após demiti-lo, em vídeo enviado ao site globoesporte.com.

Sobre as falas de Nathan, Dudamel creditou a situação à 'imaturidade' do meia. "Recebo com muita decepção umas declarações de um jogador jovem, com um futuro promissor, com um futuro bom. Mas, definitivamente, o êxito de um jogador caminha lado a lado com o profissionalismo, com a hombridade, com a sinceridade e a frontalidade que pode viver. Hoje eu entendo porque (Nathan) não triunfou em nível internacional. Quando falam sobre o futebol do Brasil, você imagina jogadores profissionais, com ética, com valentia e, definitivamente, este garoto tão jovem, que começa sua carreira, não reúne, hoje - e pode mudar, com o passar dos anos -, toda a categoria que deve ter um jogador digno do que é o futebol do Brasil. Mas os meus melhores desejos para ele e todo o clube", afirmou o treinador.

Sobre as regras para os horários das refeições, um dos pontos de reclamação de Nathan, o treinador confirmou que existiam, mas disse que não eram tão rígidas. "Sim, houve muitas mudanças. Conversamos com o grupo, falamos sobre nossas normas, sobre a nossa maneira de trabalhar. Em todo momento, deixamos partícipes nosso capitão e toda nossa equipe, inclusive os personagens de trabalho do Atlético. Preparamos um discurso com Jeremias, nosso coach, e explicamos o porquê de todas nossas decisões", declarou Dudamel.

Quanto ao presidente do clube, as críticas foram ainda maiores. "Fiquei muito surpreendido que, até o dia de hoje, nunca tive uma palavra, desde a minha saída do Atlético, com o presidente. O senhor Sérgio nunca teve a fortaleza, a personalidade e o caráter para dar a cara e poder conversar como profissional e como homem sobre seu ponto de vista e o porquê da (minha) saída. Mas eu, como profissional, devo entender essas decisões e continuar", relatou o venezuelano.

"Lamento que tenha sido tão pouco tempo, porque cheguei ao Atlético-MG com muitas expectativas, desde o primeiro dia que sentei para conversar com os dirigentes, com o presidente, com vice-presidente e com o diretor de futebol. Me apresentaram um cenário real do que se devia construir no Atlético. Infelizmente, não se cumpriu a palavra do compromisso feito", criticou Dudamel.

"Eu havia deixado a seleção do meu país por diferentes motivos e havia ido a Belo Horizonte carregado de sonhos e muitos planos, mas infelizmente não pude levar adiante. Mas sempre vou estar agradecido na vida, por Deus ter me dado essa linda oportunidade de aprender. Confiei muito na palavra de dirigentes, que me mostraram uma cara de profissionalismo e seriedade, que queriam realmente realizar um trabalho a médio e longo prazo para tirar a equipe do que havia vivido nos últimos semestres, de derrotas... e de construir uma equipe que estamos rejuvenescendo e uma equipe ganhadora", comentou o técnico.

No entanto, não foram só críticas: Dudamel elogiou a atitude de jogadores veteranos como Réver, Fábio Santos, Victor e Ricardo Oliveira. Também afirmou ter gostado de Belo Horizonte e da torcida do Atlético e que foi um período de aprendizado, ainda que breve.