Esportes Denúncia de assédio contra presidente da CBF preocupa patrocinadores da seleção

Denúncia de assédio contra presidente da CBF preocupa patrocinadores da seleção

Pelo menos quatro patrocinadores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) mostraram preocupação com o suposto caso de assédio sexual e moral do presidente da entidade, Rogério Caboclo, contra uma funcionária da entidade. A denúncia foi formalizada nesta sexta-feira perante a Comissão de Ética do Futebol Brasileiro, que vai investigar os fatos. Procurada pelo Estadão, a CBF ainda não se pronunciou.

A Nike, maior patrocinadora da seleção, usou a expressão "profundamente preocupada". "A Nike está profundamente preocupada com as graves acusações feitas ao presidente da CBF. Seguimos acompanhando de perto à apuração do caso e qualquer investigação futura. Esperamos que todas as descobertas sejam acionadas rapidamente", disse a empresa em nota.

Uma funcionária da CBF protocolou nesta sexta-feira uma acusação de assédio moral e sexual contra o presidente da entidade, Rogério Caboclo. A denúncia foi formalizada perante a Comissão de Ética do Futebol Brasileiro, que vai investigar os fatos. A mulher, que não teve seu nome divulgado, diz ter sido vítima de várias condutas abusivas de Caboclo desde abril de 2020. Ela afirma ter provas.

A fabricante de materiais esportivos suspendeu o contrato em um caso semelhante, desta vez com um atleta da seleção brasileira. A empresa afirma ter rompido o vínculo com o atacante Neymar por conta do envolvimento em uma denúncia de assédio contra uma funcionária. O rompimento foi decidido depois que o jogador não colaborou com as investigações do caso, que teria acontecido em 2016. Segundo o "Wall Street Journal", que revelou o episódio, o contrato do jogador com a empresa tinha mais oito anos de duração quando foi encerrado, em setembro do ano passado.

Outro patrocinador importante da seleção, o Itaú, também usou o termo "preocupação" sobre o episódio envolvendo o dirigente da entidade. "O Itaú Unibanco recebe com preocupação as acusações divulgadas nesta sexta-feira envolvendo o presidente da CBF. Na qualidade de patrocinador oficial da Seleção Brasileira de Futebol, o banco acompanhará de perto a apuração do caso e espera que a investigação seja profunda e célere".

A Mastercard adotou posição semelhante. "Nós estamos cientes e preocupados com as sérias alegações. Continuaremos acompanhando a situação, esperamos que as investigações sejam profundas e rápidas."

A Ambev, que também está entre os principais patrocinadores da seleção, afirmou que está acompanhando atentamente as informações sobre o caso. "Manifestamos nossa profunda preocupação com os relatos divulgados, pois reportam práticas que não toleramos. Seguimos atentos à apuração do caso e esperamos uma análise com a seriedade e rapidez que a situação requer."

Últimas