Esportes Belarussa diz que foi obrigada a deixar Tóquio após críticas à comissão técnica

Belarussa diz que foi obrigada a deixar Tóquio após críticas à comissão técnica

A atleta de Belarus, Krystsina Tsimanouskaya, que acusa a comissão técnica de seu próprio país de forçá-la a abandonar os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 e pegar um avião para a capital Minsk, afirmou que está "segura" sob proteção da polícia em Tóquio, no Japão.

Neste domingo, Tsimanouskaya acionou os policiais no aeroporto e afirmou que estava sendo mandada embora contra sua própria vontade. Ela teria sido retirada de seu quarto na Vila Olímpica à força. "Estamos decidindo onde passarei a noite", disse a atleta em uma mensagem no Telegram para a Fundação de Solidariedade Esportiva de Belarus. A velocista de 24 anos se preparava para a fase classificatória dos 200 metros, que será disputada nesta segunda-feira.

O episódio aconteceu após as críticas da atleta à sua federação nas redes sociais. No sábado, depois de ter sido incluída na prova do revezamento 4x400 metros, Tsimanouskaya fez uma publicação alegando que não havia sido consultada previamente.

O regime do presidente Alexandre Lukachenko mantém uma política de repressão aos adversários, jornalistas e militantes. A intenção do mandatário é encerrar o movimento de protesto contra sua reeleição para um quinto mandato.

Tsimanouskaya afirmou que foi forçada a suspender sua participação na Olimpíada de Tóquio-2020 pelo técnico da equipe, Yuri Moïseïevitch, antes de ser escoltada ao aeroporto por oficiais do Comitê Olímpico Nacional de Belarus para voltar ao seu país.

De acordo com o Comitê Olímpico de Belarus liderado por Viktor Lukachenko, filho do presidente, a atleta teve que suspender sua participação nos Jogos de Tóquio-2020 por "decisão dos médicos, devido ao seu estado mental e psicológico".

Últimas