Esportes Agentes de segurança dos EUA se preparam para ameaça tripla no Super Bowl

Agentes de segurança dos EUA se preparam para ameaça tripla no Super Bowl

EUA-SUPERBOWL-SEGURANCA:Agentes de segurança dos EUA se preparam para ameaça tripla no Super Bowl

Reuters - Esportes

Por Gabriela Baczynska

TAMPA, Estados Unidos (Reuters) - No estádio e nos bastidores, as autoridades de segurança em Tampa estão se preparando para uma gama assustadora de potenciais ameaças ao Super Bowl deste ano, de Covid-19 e ataques terroristas domésticos a uma multidão torcendo pelo time da casa.

O jogo da NFL, que exige coordenação de segurança de cerca de 70 agências locais, estaduais e federais, será disputado sob condições de ameaça sem precedentes, em meio a instalação de um conselho nacional de terrorismo após o cerco ao Capitólio em 6 de janeiro e a pandemia de Covid-19. Também será o primeiro confronto de Super Bowl com um time - o Tampa Bay Buccaneers - em sua casa.

As autoridades vêm planejando a segurança do evento há um ano, de acordo com o agente especial encarregado do FBI Michael McPherson, mas as recentes crises políticas e de saúde pública e o cancelamento dos eventos da semana do Super Bowl fizeram com que a grande operação se adaptasse a uma mudança de cenário.

O Super Bowl é classificado como um evento SEAR-1 pelo Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS), o que significa que recebe o mais alto nível de recursos federais, incluindo equipes caninas de detecção de explosivos, avaliações de risco cibernético e segurança aérea.

O escritório do FBI em Tampa, liderado por McPherson, hospedará mais de uma dúzia de agências em um centro de operações de inteligência em que os agentes vão coletar, analisar e divulgar informações relacionadas ao Super Bowl e se comunicarão com outras unidades em todo o país.

A agência pode aumentar sua vigilância sobre quaisquer assuntos locais que levem ao jogo, mesmo que eles não representem uma ameaça aparente para o Super Bowl, disse McPherson.

"Vimos o que aconteceu em Washington DC e se alguém quiser fazer uma declaração política ... é algo que nós temos que pensar", afirmou ele.

(Por Gabriella Borter)

Últimas