Adilson critica elenco 2019 do Cruzeiro e revela apoio de São Paulo e Palmeiras

Um dia depois de ser demitido do Cruzeiro, após a derrota para o Coimbra, em duelo do Campeonato Mineiro, o técnico Adilson Batista criticou a postura do elenco de 2019, revelou apoio de Palmeiras e São Paulo na construção do time deste ano e afirmou que a gestão anterior do time deveria ser presa.

"Desde o ano passado me entreguei, mas não conseguimos (evitar o rebaixamento). Transfiro isso também para os atletas (de 2019) porque derrubaram Mano Menezes, Rogério Ceni e Abel Braga. Não me derrubaram porque foram só três jogos", afirmou o treinador, que completou 52 anos nesta segunda-feira, em entrevista ao canal ESPN.

Adilson afirmou que enfrentou dificuldades para montar um novo time, após o fracasso do ano passado, e lembrou que a missão principal é o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro. "Fizemos uma reformulação, 90% do elenco renovado, 80% da base. Temos que entender o processo, ter calma com os meninos, seguir exemplos do Flamengo e Athletico-PR", disse.

"Faz parte do nosso trabalho, a gente lamenta uma decisão tomada pelo conselho gestor, fiquei triste e chateado. Precisava entender o processo do clube. Tínhamos o objetivo maior lá na frente, com a chegada de novos jogadores. Torço e desejo sorte e sucesso para o novo comandante que chegar e reerguer esse clube tão grandioso para voltar a Série A."

Jogador do clube por cinco anos e técnico em outros três, Adilson mostrou-se indignado com o atual momento pelo qual passa o clube, rebaixado no fim do ano passado no Brasileirão. "Sabia das dificuldades, dívida enorme, mais de R$ 800 milhões com quatro, cinco meses atrasados. Contrato de menino de 19 anos com luvas de R$ 1,9 milhão. Fico triste que o Cruzeiro foi mal administrado e espero ver essa turma presa."

O treinador comentou o fato de o Cruzeiro ser administrado por um grupo de oito gestores. "Evidente que tem valor, pela dificuldade que o clube vive, com desmandos e descasos. Tem que enaltecer, mas na área do futebol os 8 estavam dando palpites, o departamento de futebol ficou isolado. Muitas pendências foram resolvidas, jogadores na Justiça e tal, mas não conseguimos contratar, acabamos perdendo tempo, jogadores não quiseram vir, preciso respeitar o lado financeiro. Alguns clubes quiseram ajudar: Vanderlei Luxemburgo com o Palmeiras, São Paulo, Athletico-PR com o Paulo André".