Esportes À espera de definição na presidência, jogo da seleção não empolga caciques da CBF

À espera de definição na presidência, jogo da seleção não empolga caciques da CBF

Foi com a mesma empolgação que o jogo ofereceu - quase nenhuma - que a cúpula oficialmente em atividade na CBF assistiu à vitória do Brasil sobre a Colômbia na noite desta quarta-feira, no Engenhão, em jogo válido pelo Grupo B da Copa América. Sem a vibração da torcida e com os comandados de Tite encontrando dificuldades para furar o bloqueio colombiano, o presidente interino da CBF, Antônio Carlos Nunes, e dois dos vices - Ednaldo Rodrigues e Fernando Sarney - variaram entre a atenção ao jogo e aos seus celulares. O novo secretário-geral da CBF, Edu Zebini, também esteve lá.

Desde que Rogério Caboclo foi afastado temporariamente do cargo pelo Comitê de Ética da CBF - ele é acusado por uma funcionária de assédios moral e sexual -, alguns vice-presidentes têm sido vistos com mais frequência na entidade e em jogos da seleção.

Ednaldo Rodrigues e Fernando Sarney já eram habitués na sede, e nas últimas semanas têm praticamente batido ponto por lá - Sarney ficou um tempo afastado se recuperando da covid-19. Além deles, claro, outro que tem estado com frequência no prédio da Barra da Tijuca é o coronel Antônio Carlos Nunes, que está na presidência interina. Outros dois vices, Gustavo Feijó e Francisco Novelletto, também apareceram na CBF nas últimas semanas. Antes, a preferência era por reuniões à distância.

Mais do que uma tentativa de mostrar que a CBF não está acéfala, a presença dos vices serve também para demarcar território. Caso Rogério Caboclo não consiga retomar a presidência, uma nova eleição será convocada para definir o novo mandatário para um mandato tampão, válido até abril de 2023. E, nesse caso, apenas os atuais vices, incluindo o coronel Nunes, poderiam concorrer.

Afastado desde 4 de junho, Rogério Caboclo ainda tem esperanças de retomar o cargo. Ele aguarda por uma decisão do Comitê de Ética, que tem até o dia 4 de julho para se manifestar. O órgão poderá afastá-lo por mais 30 dias ou recomendar seu afastamento definitivo. Nesse caso, caberá às 27 federações estaduais decidirem - são necessários 3/4 dos votos - se Caboclo fica ou é destituído do cargo.

Nos últimos dias, Caboclo tem mantido contato com dirigentes estaduais em busca de pelo menos sete votos para mantê-lo na presidência. Apesar de ele insistir na sua inocência, todos na CBF acham improvável que ele consiga reunir o apoio necessário devido à natureza das acusações.

Últimas