16 de Abril de 2014

Futebol

18/10/2013 às 00h30 (Atualizado em 18/10/2013 às 15h08)

Fisiologista detona calendário brasileiro e propõe limite de jogos por ano bem abaixo do atual

Doutor Turíbio de Barros explica as diferenças da pré-temporada na Europa e no Brasil

Luiz Felipe Castro, do R7

Clubes brasileiros podem ultrapassar marca de 80 jogos no ano, média muito superior a dos times europeus Wagner Meier/ Agif/Gazeta Press

Na contramão das propostas do Bom Senso FC — grupo formado por atletas que pedem melhorias no calendário do futebol brasileiro —, a CBF anunciou recentemente que os Estaduais serão antecipados em 2014, para se adequar à tabela da Copa do Mundo. Com isso, os atletas terão suas férias reduzidas a menos de um mês e praticamente não farão pré-temporada no ano que vem.

Como o Brasileirão acabará em 8 de dezembro e os Estaduais terão início no dia 11 de janeiro (ainda há a possibilidade de mudança para o dia 18), os principais clubes do Pais terão que abolir a pré-temporada ou reduzir as férias dos atletas. De todos as equipes, o Atlético-MG será o mais prejudicado: se chegar à final do Mundial de Clubes, em 21 de dezembro, terá apenas 20 dias entre o jogo no Marrocos e o início do Mineiro.

Para analisar as mudanças no calendário e estipular qual seria o tempo ideal de descanso dos atletas, o R7 procurou o fisiologista Turíbio Leite de Barros, que trabalhou por 25 anos no São Paulo e foi o idealizador do cultuado Reffis (Centro de recuperação de atletas do Tricolor). Segundo ele, os times deveriam ter, no mínimo, o dobro do tempo estipulado pela CBF para se preparar para o retorno aos gramados.

— O ideal ou necessário seria um mês de férias e mais quatro semanas de pré-temporada até iniciar uma competição. Da maneira que acontece, sempre vai haver um prejuízo, aumenta a incidência de lesões, os clubes entram mal preparados.

Só coincidência? Clubes com calendário mais enxuto se destacam em 2013

CBF pede duas semanas para analisar pedido do Bom Senso FC

Além do pouco tempo de descanso e preparação, Turíbio chamou a atenção para o elevado número de partidas e o pequeno intervalo entre elas. Levando em conta também as enormes distâncias percorridas pelas equipes durante toda a temporada, o fisiologista estabeleceu o limite de compromissos que um clube deve ter.

— O ideal seria que as equipes jogassem em torno de 65 jogos, 70 no máximo, por ano.

Curiosamente, o ex-clube de Turíbio pode terminar o ano como a equipe que mais entrou em campo no Brasil. Devido às competições internacionais disputadas em agosto, o São Paulo já tem 79 jogos garantidos neste ano e o número ainda pode subir para 85, caso o Tricolor chegue novamente à final da Copa Sul-Americana, que acontece em 11 de novembro.

Comparação com o futebol europeu

Doutor Turíbio Leite Barros garante que não há como comparar a nossa realidade com a dos clubes na Europa. Segundo ele, além das diferenças geográficas que resultam em viagens mais curtas, as equipes europeias tem um sistema de treinamento bastante diferente.

— Lá a pré-temporada é respeitada, eles obedecem essas quatro semanas de preparação. E quando começa a temporada, o trabalho é praticamente só de manutenção, você não precisa mais ter um ritmo muito forte. Aqui, como se começa a temporada muito aquém do nível ideal, acaba se treinando muito mais.

De fato, em número de jogos, há pouca diferença entre o calendário brasileiro e o europeu: em 2012, o campeão mundial Corinthians fez 74 partidas, contra 68 do Chelsea. O tempo de descanso, no entanto, é realmente bem maior no Velho Continente: a Bundesliga, por exemplo, acabou em 18 de maio e só voltou em 27 de julho.

Sucesso de veteranos no Brasileirão

Por fim, o especialista em recuperação de atletas analisou o fenômeno de atletas como Juninho Pernambucano, Seedorf e Paulo Baier, que apesar da idade avançada, tem conseguido se destacar no Brasileirão.

— Na verdade, eles são uma exceção, a regra é a carreira acabar antes. Todos estes jogadores que esticam mais a carreira têm uma combinação de fatores: uma herança genética favorável e uma grande disciplina. Eles levam a carreira mais a sério, evitam imprudências. Além disso, são jogadores que nunca sofreram uma lesão muito grave.

Veja reportagem do Esporte Fantástico sobre as reclamações dos atletas com o calendário de 2014:

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

AS MAIS CLICADAS

Compartilhe
Luxo total

Conheça as mansões de Neymar, Messi, Cristiano Ronaldo e outras feras

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Comédia

Site elege as fotos esportivas mais hilárias do mundo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
O lado torcedor

Veja para que time torcem os principais juízes do futebol brasileiro

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Bem acompanhados

Veja o time de gatas que faz a alegria dos craques brasileiros no exterior

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Só beldades

R7 homenageia as musas desconhecidas do esporte. Clique e confira

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!