Esportes Sylvinho diz que derrotas não o desanimaram: 'Sou um realista esperançoso'

Sylvinho diz que derrotas não o desanimaram: 'Sou um realista esperançoso'

Sylvinho chegou ao Corinthians há uma semana empolgado e disposto a reerguer a equipe. Passados dois jogos e duas derrotas, ambas para o Atlético-GO, pelo Brasileirão e Copa do Brasil, o técnico garante que não desanimou com os reveses e as atuações ruins e o discurso segue o mesmo, o de buscar o equilíbrio necessário para que o time reaja na temporada.

Sylvinho disse que não é otimista nem pessimista e se definiu como um "realista esperançoso". "Esse é o meu trabalho, é o trabalho de um líder, de um gestor, de quem faz o gerenciamento e eu entendo dessa forma. Meus atletas sabem que a competição é difícil e a diferença de ganhar e perder está em detalhes. É tudo muito equilibrado", ponderou o treinador.

Embora diga que não esteja abatido com os resultados, Sylvinho admitiu que o desempenho até aqui está muito longe do esperado. O treinador reconheceu que sua equipe jogou mal no revés por 2 a 0 que deixou o Atlético-GO muito perto das oitavas de final da Copa do Brasil, mas confia na classificação.

"Insatisfeito pela performance e muito mais pelo resultado. Mas nós estamos no jogo. É difícil sim, mas vamos jogar. Vamos buscar soluções para a reversão do resultado. O equilíbrio existe, são 90 minutos e vamos jogar. Óbvio que existe uma boa desvantagem, mas a eliminatória está aberta", comentou.

O comandante corintiano, em mais de uma oportunidade, salientou que a ideia, desde que chegou, é "buscar o equilíbrio" e uma solução para que o cenário mude. Ainda é cedo, mas taticamente, não conseguiu encontrar uma formação coesa e que seja capaz de fazer o jogo fluir. Diante dos goianos, o time deixou espaços para o rival chegar com perigo e matar o jogo e foi inócuo na criação das jogadas. Com isso, ele disse estar aberto a fazer mudanças, seja de peças ou no sistema.

"Nós temos que buscar o equilibro do time. Como todos buscavam aqui uma solução, eu vou buscar também. Corinthians já jogou em linha de quatro, de três e não teve muito sucesso anteriormente em nenhuma delas. Nós temos que buscar a solução, mas ela nem sempre mora na tática. Tem técnica, estado de espírito, gerenciamento, escolha dos atletas. Há toda uma conexão", explicou.

"O material que nós temos aqui é para fazer mais, é para performar mais e conseguir melhores resultados. Vamos buscar uma solução", completou o técnico, ao comentar sobre o potencial do elenco.

O futuro do Corinthians reserva compromissos difíceis. Domingo, encara o América-MG, pelo Brasileirão. Na quarta que vem tem o duelo de volta diante do Atlético-GO em que precisa vencer por três gols de diferença e no fim de semana seguinte pega o arquirrival Palmeiras, no Allianz Parque.

Últimas