Retrô prega filosofia do 'tiki-taka' e sonha em montar time formado na base

No Retrô, de Pernambuco, os jogadores têm a explícita proibição de dar lançamentos longos ou se livrar da bola, assim como é no Barcelona e nos times treinados pelo técnico Fernando Diniz. O clube nordestino defende a proposta de troca de passes e movimentação desde a saída com o goleiro. Inclusive, esse estilo é trabalhado já nas categorias de base mais jovens, com o intuito de se formar no futuro um time profissional com a presença de 70% de revelações caseiras.

"A gente tem a cobrança de não dar 'chutão'. A gente se cobra por isso. Se dar 'chutão', o treinador até apita para interromper o treino. O futebol moderno é isso, de toque de bola. Nós estamos no caminho certo", disse o zagueiro e lateral Luiz, de 19 anos. A equipe precisa treinar também para fugir da marcação adversária na saída de bola, pois a estratégia de jogo já se tornou conhecida.

O Retrô tem como principal aposta para os próximos anos o atual elenco sub-17. Trata-se da geração de garotos que está há mais tempo na base e assimilou melhor os conceitos de toque de bola e da busca pelo jogo bonito. O elenco profissional atual tem uma mescla entre revelações da base e jogadores com passagens pelos grandes de Pernambuco. Mas o sonho do clube é formar o elenco todo dentro de casa.

O próprio defensor Luiz veio do Sport no ano passado após seis temporadas no clube rubro-negro. "O Retrô tem uma estrutura grande e dá oportunidade a outros atletas. Nosso time busca sempre jogar com a bola no pé. É importante trabalhar isso desde a base, para o garoto aprender melhor", explicou o jogador.

Quem cuida de revelar os garotos garante que a preocupação não é com títulos na base, mas sim em lapidar os talentos. O técnico do time sub-20, Thiago Souza, contou que até mesmo no processo seletivo de garotos, só é selecionado quem demonstra capacidade de se adequar ao estilo do Retrô. "Procuramos quem tenha a melhor relação com a bola e quem entenda o nosso projeto", afirmou o treinador.

A base do Retrô negociou recentemente nove jogadores com outras equipes. O clube contratou uma rede de observadores técnicos em outras cidades do Nordeste para buscar garotos e encaminhar as indicações à diretoria.