Rally dos Sertões cria 'bolhas' de convivência e muda rotina para a nova edição

A 28ª edição do Rally dos Sertões terá um formato diferente neste ano por causa da pandemia do novo coronavírus. As novidades sobre a competição foram apresentadas em formato drive-in no estádio do Pacaembu nesta quarta-feira. A principal mudança será na realização da prova em "bolhas", com roteiros predeterminados por GPS e com acampamentos de circulação restrita. A largada será no dia 31 de outubro, no interior de São Paulo.

O percurso de sete etapas sairá de São Paulo e passará por Brasília, Goiás, Tocantins e termina em Barreirinhas, no Maranhão, no dia 7 de novembro. Ao contrário de edições anteriores, em que a caravana se deslocava pelas cidades, desta vez o trajeto vai passar por vias predeterminadas pela organização, para evitar a proximidade com povoados. Quem desrespeitar essa norma será punido.

A rotina dos competidores estará bem diferente neste ano. As reuniões diárias dos pilotos serão por videoconferência, o tamanho das equipes será reduzido, está proibida a ajuda externa de pessoas, é obrigatório usar máscara e será preciso apresentar um resultado negativo do exame para covid-19 para poder iniciar. Quando a expedição estiver nos acampamentos, somente pessoas credenciadas poderão circular por ali. A organização criou até um serviço de motoboy para a compra de qualquer produto que seja necessário.

"Todos os grandes eventos esportivos estão se reinventando, com o Sertões não é diferente. Vamos nos deslocar com toda segurança para ativar as economias locais e levar cuidado a quem precisa. Adiar a prova, em tese a opção mais fácil, seria abandonar quem sempre nos acolheu. Sertões representa superação", disse o CEO do Rally dos Sertões, Joaquim Monteiro. "Neste ano vamos priorizar a técnica de pilotagem e a arte da navegação. O conjunto piloto/navegador será testado arduamente, principalmente nos três primeiros dias. Será um rali de estratégia", comentou o diretor técnico do Rally, Edgar Fabre.

Outra novidade será o palco inédito da largada, o autódromo Velocitta, em Mogi Guaçu. O complexo automobilístico inclui o autódromo, pista off-road e de rali. "Nós sabemos que é um momento histórico ser palco de uma competição off-road de nível internacional e mostra o quanto estamos preparados para receber este tipo de competição, com toda segurança e seguindo rigorosos protocolos de saúde", diz Guiga Spinelli, gestor do complexo.

A organização do Rally dos Sertões vai aplicar ainda ao longo da competição um projeto chamado de "Saúde e Alegria no Sertões" (SAS) para deixar um legado nas cidades do trajeto da competição. O plano é instalar cabines como unidades de atendimento de telemedicina nas comunidades e poder contemplar 14 especialidades médicas. Desde março, já foram mais de 15 mil pessoas beneficiadas em mais de 115 cidades de 15 Estados.