Cosme Rímoli Willian, Roger Guedes, Giuliano e Renato Augusto. O Corinthians volta a se respeitar

Willian, Roger Guedes, Giuliano e Renato Augusto. O Corinthians volta a se respeitar

Clube que entrou no Brasileiro com medo do rebaixamento já convive com uma exigência: vaga na Libertadores é o mínimo. Ousadia para escapar da herança maldita de Andrés Sanchez, dívida de R$ 1 bilhão

  • Cosme Rímoli | Do R7

Corinthians voltou a recepcionar jogadores importantes como Roger Guedes. Autoestima

Corinthians voltou a recepcionar jogadores importantes como Roger Guedes. Autoestima

Rodrigo Coca/Corinthians

São Paulo, Brasil

O Corinthians completa hoje 111 anos.

E de maneira muito diferente do que seria há três meses.

O time era eliminado pelo maior rival, jogando na sua arena, em Itaquera. Perdia para o Palmeiras por 2 a 0. E já havia sido expelido da Copa Sul-Americana. Em seguida, em junho, também saiu da Copa do Brasil, ao disputar vaga com o Atlético Goianiense.

Duilio Monteiro Alves não tinha feito sequer uma contratação.

A herança maldita do ex-presidente Andrés Sanchez era R$ 1 bilhão em dívidas. Mais de 170 processos, de todos os tipos. 

O potencial do elenco era limitadíssimo. A equipe não era respeitada. E lutaria para escapar do rebaixamento, no Brasileiro de 2021.

Foi quando Duilio e o ex-presidente, agora diretor de futebol, se reuniram com lideranças que os sustentam nos cargos. E chegaram à conclusão óbvia. Se o time seguisse passando vexames, seria quase impossível manter o poder. As chefias das organizadas já estavam organizando protestos cada vez mais fortes, perigosos.

Sylvinho havia sido sincero sofre a fragilidade do time.

Ele modernizaria a forma de atuar, mas a falta de talento poderia expor o time a derrotas e a uma caminhada tumultuada, imprevisível, no Brasileiro.

O que seria terrível, logo no primeiro ano da administração Duilio.

Vozes que estavam caladas na oposição voltaram a serem ouvidas.

Daí a decisão óbvia de que jogadores importantes teriam de ser contratados.

Antes a firmeza para se livrar do salário de 13 jogadores. Entre eles, Ramiro, Bruno Méndez, Camacho, Otero, Cazares, Jemerson.

Andrés Sanchez havia deixado uma folha salarial de R$ 14,2 milhões. De uma equipe medíocre, que terminou o Brasileiro de 2020, em 12º lugar. Com as dispensas, o Corinthians chegou a pagar 'apenas' R$ 10,2 milhões.

Daí, a decisão de investir.

Mas em atletas que estivessem sem clubes. 

E as investidas foram corajosas, firmes. Giuliano foi conquistado, apesar do interesse do Grêmio e do Internacional. Renato Augusto voltou, apesar do namoro do Flamengo. Roger Guedes não quis saber do Atlético Mineiro. E Willian dispensou sondagem do Lyon.

Graças a quatro contratações e pela maneira competitiva, intensa que Sylvinho finalmente conseguiu montar o time, o Corinthians renasceu no Brasileiro. Conquistou pela primeira vez, no sábado passado, a terceira vitória consecutiva.

O futebol segue despertando sentimentos volúveis.

Os mesmos conselheiros e chefes de torcidas que estavam revoltados há três meses, hoje estão entusiasmados. 

O clube segue devendo mais de R$ 1 bilhão, mas o clima é de otimismo, de certeza de novos patrocínios, de sedução de investidores.

O clima festivo já começa amanhã, no aniversário de 111 anos.

O Corinthians voltou a ter futebol competitivo com Renato Augusto e Giuliano. E deve melhorar

O Corinthians voltou a ter futebol competitivo com Renato Augusto e Giuliano. E deve melhorar

EVERTON SILVEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 28/08/2021

Sylvinho e a direção sabem que Flamengo, Atlético Mineiro e Palmeiras têm elenco mais fortes. E só. Dos outros clubes, o Corinthians não fica a dever. A situação reverteu de forma intensa internamente também.

Não há mais o menor medo de rebaixamento.

E o objetivo é claro: a Libertadores de 2022.

A partir de novembro, ou antes, se o governador de São Paulo, João Doria, permitir, passar a faturar com público no seu estádio, já que o acordo para o pagamento do estádio foi mudado e uma parcela do arrecadado nas arquibancadas ficará no clube.

De maneira discreta, até os rivais reconhecem.

O Corinthians renasceu.

Mudou seu destino, com a ousadia de dispensar vários atletas medianos.

E investir certo, pesado, em quatro jogadores importantes.

Com futebol para contagiar o time.

Últimas