Cosme Rímoli Luxa nega ser Santos Dumont. Quer celebrar a volta à semi da Copa do Brasil, depois de nove anos. E a certeza: não será demitido

Luxa nega ser Santos Dumont. Quer celebrar a volta à semi da Copa do Brasil, depois de nove anos. E a certeza: não será demitido

Aos 71 anos, Vanderlei Luxemburgo comemorou com a direção a classificação para a semifinal da Copa do Brasil. Foi seu 20º jogo pelo Corinthians. Conseguiu três vitórias seguidas. Ganhou força para ficar até dezembro

  • Cosme Rímoli | Do R7

Luxa comemorou muito. Depois de nove anos, de novo na semifinal da Copa do Brasil. Reviravolta aos 71 anos

Luxa comemorou muito. Depois de nove anos, de novo na semifinal da Copa do Brasil. Reviravolta aos 71 anos

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Aos 71 anos, Vanderlei Luxemburgo mostrou dificuldade para conter a emoção, depois da difícil classificação do Corinthians para a semifinal da Copa do Brasil.

Depois de comemorar com os jogadores, ele fez questão de cumprimentar o árbitro Ramon Abatti Abel.

Depois de dar a mão ao juiz, Luxemburgo se empolgou. E tentou abraçá-lo. Ramon jogou o corpo para trás.

Ficaria ridículo, no mínimo, Ramon abraçado ao treinador comemorando a classificação do Corinthians e a eliminação do América Mineiro.

Após a partida, nos vestiários, ele matou sua vontade de abraçar.

Com os jogadores, com a direção.

Ele tem uma certeza, voltando a classificar um time para a semifinal da Copa do Brasil, depois de nove anos: não será demitido. 

Cumprirá ao menos seu contrato até dezembro.

Chegou ao que muitos duvidavam: 20 jogos à frente do Corinthians.

Conseguiu a terceira vitória seguida, derrotando o América por 3 a 2, chegando à classificação nos pênaltis, por 3 a 1. Com Cássio defendendo duas cobranças.

Luxemburgo, que havia pedido dez jogos de apoio aos torcedores organizados, chegou a 20.

Com sete vitórias, quatro empates e nove derrotas.

Encaminhou a classificação para as oitavas da Copa Sul-Americana, mesmo com os reservas.

E começou a se afastar da zona do rebaixamento do Brasileiro, o principal objetivo.

Conselheiros, que imploravam ao presidente Duilio Monteiro Alves para demitir Luxemburgo, se acalmaram.

Vanderlei estava eufórico nos vestiários do Neo Química Arena.

A última vez que chegou à semifinal da Copa do Brasil foi com o Flamengo, em 2014. Não chegou à final, porque depois de o time carioca vencer por 2 a 0, no Maracanã, foi goleado por 4 a 1 pelo Atlético, no Mineirão.

Mas Luxa foi vice com o Corinthians em 2001 e venceu a competição com o Cruzeiro, em 2003. Há exatos 20 anos.

Depois de saborear a vitória e ter certeza de que ficará até dezembro, chegou a hora de tirar a forra com a imprensa.

Fez questão de destacar que foi a primeira vez que teve o melhor do Corinthians para escalar. Inclusive com Matías Rojas, que fez ótima estreia. E atuando pelo meio. No Racing, canhoto, jogava muito mais pelos lados do campo. Pela esquerda e pela direita. Não centralizado.

"É a primeira vez que jogo com esse time junto, muitas coisas faltaram. Os meias passarem mais pelo lado. O Renato também precisa se aproximar mais do ataque. Estamos no caminho certo, mas está muito distante. Temos que colocar os pés no chão. Saborear a vitória. Conquistamos esse direito de estar na semifinal.

"Trabalhamos para isso e precisamos nos deliciar disso pois foi muito bom."

Rojas fez excelente estreia. Jogou muito bem e liberou Renato Augusto

Rojas fez excelente estreia. Jogou muito bem e liberou Renato Augusto

Corinthians

Não tocou nos seus erros primários, o de fazer o time recuar quando teve a vantagem por duas vezes, que classificaria o Corinthians sem pênaltis: quando estava 2 a 0 e 3 a 1 a partida, encorajando o América a descontar o placar. O que fez as duas vezes e levou a decisão aos pênaltis.

Luxemburgo fez questão de lapidar mais uma frase inesquecível.

Jurou não ser Santos Dumont, o "pai da aviação", ao explicar que não inventou ao colocar o meia paraguaio centralizado, o que facilitou a participação de Renato Augusto. E inclusive que não foi ele quem tirou Rojas, que estava muito bem no jogo.

"O cara pediu para sair, não fui eu que tirei, ele pediu para sair. Mostrou que é um grande jogador. ‘Luxemburgo inventou dele jogar por dentro.'

"Não, não sou Santos Dumont. Joguei onde ele joga. Ele joga pelo lado esquerdo por dentro. Ele é versátil e posso usar da melhor maneira possível. Achei que Roger ficando do lado, o gol fica muito distante para ele”, disse.

Preparador físico do clube peruano Universitario, o uruguaio Sebastian Avellino fez gestos racistas

Preparador físico do clube peruano Universitario, o uruguaio Sebastian Avellino fez gestos racistas

Reprodução/Twitter

Sorrindo, Vanderlei sabia que havia ganhado um jogador fundamental no meio-campo. Capaz de pensar o jogo, acelerar, diminuir o ritmo. O paraguaio Rojas demonstrou ter grande potencial.

Luxemburgo teve de reconhecer, no entanto, o mérito indiscutível de Cássio.

Ele é o maior goleiro da história do Corinthians. O que acumula mais títulos.

E o maior defensor de pênaltis, chegou ontem ao 31º, abrindo distância de Ronaldo, com 27.

"O Cássio é um ídolo do Corinthians. É um pegador de pênaltis. Ele, Dida, quando abrem os braços, o gol fica pequeno.

"Passa na cabeça do jogador (adversário) que ele (Cássio) é pegador. Eu falei para a gente ter calma e fazer o gol, que a gente tem um pegador de pênaltis. É muito importante você ter um pegador de pênaltis no gol. Eu pedi calma."

A classificação do Corinthians valeu muito dinheiro. O clube alcançou R$ 9 milhões de premiação pela semifinal da Copa do Brasil. E mais a certeza de, pelo menos, R$ 3 milhões em arrecadação, no jogo em Itaquera, contra o rival São Paulo.

Tudo isso conta a favor de Vanderlei.

Bastaram três vitórias seguidas, o vigésimo jogo.

O sofrimento sumiu e há sinais de confiança.

O treinador de 71 anos ganhou fôlego.

Na terça-feira já há a partida, com os reservas, contra o Universitario, no Peru.

O clima é pesado em Lima, pela detenção do preparador físico Sebastian Avellino, que fez gestos racistas contra torcedores corintianos que o xingavam, imitando macacos, na semana passada.

O jogo vale a classificação para as oitavas da Sul-Americana.

No sábado, em Salvador, o Bahia, pelo Brasileiro.

Mas os sorrisos de Luxa na coletiva deixavam claro.

Ele acredita que "o pior" já passou.

E depois de 15 demissões seguidas, ele terminará seu contrato até dezembro no Corinthians.

Mesmo não sendo Santos Dumont...

Não se surpreenda com quem é o 4º maior artilheiro do mundo, que está atrás de Messi e CR7

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas