Cosme Rímoli Santos, Flu e Vasco convidam garoto que acusou racismo

Santos, Flu e Vasco convidam garoto que acusou racismo

Luiz Eduardo, de 11 anos, chocou o país com suas lágrimas, disputando a Caldas Cup. Ele acusou o treinador adversário de mandar seu time marcar 'o preto'

  • Cosme Rímoli | Do R7

Luiz Eduardo chorando, depois da vitória, acusou treinador rival. "Fecha o preto, aí, ó"

Luiz Eduardo chorando, depois da vitória, acusou treinador rival. "Fecha o preto, aí, ó"

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Um conto de fadas às avessas.

O que começou de maneira deprimente, há dois dias, com o menino de 11 anos, Luiz Eduardo Bertoldo Santiago, chorando, denunciando ter sido vítima de racismo, acabou com com convite de testes em três clubes, com passagens e estadia pagas dele e de um familiar.

Veja também: Exemplo no esporte! Lewis Hamilton coleciona atitudes contra racismo

O caso ganhou repercussão em todo o Brasil e no Exterior.

Na disputa da Caldas Cup, competição de garotos em Caldas Novas, Goiás, Luiz Eduardo jogava pela Uberlândia Academy, time da cidade mineira, contra o Instituto SET, de Goiás, pelo torneio sub-11.

Apesar da vitória por 3 a 1, o garoto gravou um vídeo chorando, inconformado. Nele, ele acusou o treinador Lázaro Caiana de Oliveira, de mandar seus jogadores, 'marcar o preto'.

"O cara falava assim "Fecha o preto aí, ó! Aí eu aguardei para falar no final com os pais. Falou um 'tantão' de vezes'", disse, chorando, Luiz Eduardo.

A situação foi tão séria que foi registrado um Boletim de Ocorrência contra Lázaro, por injúria racial. 

Neymar chegou a gravar um vídeo de apoio ao menino.

"Fala, Luiz Eduardo, aqui é o Neymar. Vi que você passou uma situação completamente chata, triste. Infelizmente, a gente anda passando por esse tipo de coisa que não cabe mais hoje em dia.

"Quero te desejar força, muita luz, muito amor. Espero que você não desista do que você ama fazer, que é jogar futebol. Pegue isso como força, transforme isso em treino, em dedicação, em amor ao que faz, aos seus pais, à família, a todos, sem cor, sem raça nenhuma. Um beijo, fica com Deus, sucesso, estou na torcida por você.

"Um abraço."

Só que Santos, Fluminense e Vasco foram além.

Oferecem ao menino a oportunidade de fazer teste, para tentar a carreira de jogador profissional.

Luiz Eduardo recebe o consolo dos país. Mas segue chorando ao falar da situação

Luiz Eduardo recebe o consolo dos país. Mas segue chorando ao falar da situação

Reprodução/TV Anhaguera

Lázaro negou a acusação.

Mas foi suspenso do torneio.

E terá de responder na justiça pela acusação formal de injúria racial.

O futebol não tolera mais racismo.

Está cada vez mais evidente que, em nenhuma circunstância, a discriminação será tolerada.

Santos, Fluminense e Vasco tomam atitude nobre.

Agora cabe à justiça desse país agir.

Investigar e punir, de verdade, se houve racismo.

Injúria racial já é uma expressão que minimiza o preconceito...

Últimas