Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

O Flamengo não precisava de tamanha vergonha. CT interditado

Foram necessários dois anos e dez mortes de meninos. Mas guardas municipais estão em frente ao Ninho do Urubu.  Interdição aconteceu

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli


CT do Flamengo finalmente interditado. Foram necessárias mortes de dez meninos
CT do Flamengo finalmente interditado. Foram necessárias mortes de dez meninos

São Paulo, Brasil

Foi difícil, mas exemplar.

A prefeitura do Rio de Janeiro acaba de cumprir sua obrigação. 

Leia também

Depois de dois anos de haver determinado a interdição do Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo, finalmente hoje, dezenas de guardas municipais foram fechar o local da maior tragédia do futebol de base deste país.

Publicidade

Mesmo depois do terrível incêndio que matou dez meninos da base do clube, que descansavam em um dormitório improvisado em contêineres, no dia 8, o Flamengo seguiu desprezando a interdição de 2017. Usando os campos de futebol, como se nada tivesse acontecido.

A única mudança programada era remover os escombros do terrível incêndio e transformar a área em um estacionamento.

Publicidade

Um absurdo.

Mas o prestígio popular do clube de maior torcida do Brasil tem limites.

Publicidade

E a Prefeitura do Rio de Janeiro decidiu agir.

A pressão era muito grande.

Não só de populares.

Mas também de autoridades nacionais.

Veja mais: Conselheira do Fla chama jogadores de e-sports de 'nerds autistas'

O órgão que não sossegou foi o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Ele exigia a interdição por conta da falta de documentação exigida pelo Corpo de Bombeiros.

Foi firme com a prefeitura.

A direção do Flamengo acreditou que teria tempo para conseguir adequar o clube às exigências não cumpridas desde 2017.

O dormitório onde os atletas morreram não existia oficialmente.

O descaso é assustador.

O Ninho do Urubu tinha autorização para construir no terreno, mas, no projeto que o Flamengo apresentou para conseguir a licença, a área onde estavam os contêineres aparecia como um estacionamento, sem nenhum tipo de construção.

Dirigentes do Flamengo jamais pediram pra usar aquele local como dormitório.

Nunca houve fiscalização, de acordo com a prefeitura, porque não houve denúncia.

Veja mais: Advogados de vítima de tragédia rebatem presidente do Flamengo

Quem iria denunciar, o próprio Flamengo?

O Ninho do Urubu não tinha sequer alvará de funcionamento.

O Flamengo decidiu seguir o caminho legal e buscar o alvará em setembro de 2017.

Só que não apresentou o certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros.

Porque nuca teve.

O clube foi multado 30 vezes por continuar funcionando sem o alvará.

Tudo veio à tona com a morte dos dez meninos.

A interdição à força foi decisão da prefeitura diante da teimosia do Flamengo.

A direção avisava que os treinos seriam mantidos.

Não esperava a interdição.

Veja mais: Alerj vota lei que prevê brigadistas em alojamentos esportivos

Mas os guardas municipais chegaram.

E só deixam entrar funcionários.

Estão liberados para pegar material esportivo dos jogadores.

Acabaram os treinos no Ninho do Urubu.

Familiares dos garotos mortos revoltados. Pela indenização oferecida pelo Flamengo
Familiares dos garotos mortos revoltados. Pela indenização oferecida pelo Flamengo

Isso enquanto o clube não regularizar a situação do CT junto ao Corpo de Bombeiros, situação básica e obrigatória.

A Prefeitura garante que a decisão foi dela e não do Ministério Público.

Para piorar a imagem da direção do Flamengo, advogados dos parentes dos garotos mortos garantem que o presidente Rolando Landim mentiu.

Na única entrevista que deu após as mortes dos meninos, ele garantiu que não foi feita qualquer proposta financeira como indenização.

Mas advogados não só o desmentiram.

Apresentaram o que Landim ofereceu.

R$ 150 mil reais para cada pai, R$ 50 mil para cada irmão e R$ 25 mil para cada avô .

Além disso, o clube ofereceu uma pensão de um salário mínimo por pai no período de dez anos ou até o falecimento.

A proposta é muito abaixo do que o Ministério Público do Trabalho exige.

Veja mais: "Foi uma fatalidade": presidente do Flamengo diz que clube ainda tenta acordo com famílias das vítimas de incêndio no CT

O MP pede indenização de R$ 2 milhões para cada família. E o pagamento de R$ 10 mil por mês até a data que os meninos completassem 45 anos.

Landim chegou a considerar as mortes uma 'fatalidade'.

E avisou que ofereceria o dobro do que foi pago às famílias dos mortos na boate Kiss.

Esqueceu a diferença gritante que os jovens gaúchos foram se divertir em uma casa noturna.

Os meninos foram dormir no ambiente de trabalho oferecido pelo clube mais popular do Brasil.

E que deve faturar R$ 750 milhões em 2019.

Depois do fechamento do Ninho do Urubu, o Flamengo enfrenta outra batalha jurídica.

O Ministério Público espera conseguir o bloqueio de R$ 57,5 milhões do Flamengo.

Para o futuro pagamento das indenizações.

Postura do presidente Landim revolta familiares dos meninos mortos
Postura do presidente Landim revolta familiares dos meninos mortos

O desgaste da imagem do clube é enorme.

E hoje fica ainda pior.

Com guardas municipais impedindo o acesso.

O Ninho do Urubu era apresentado como um dos melhores Centros de Treinamento do mundo.

Mas ele não poderia estar em uso há dois anos.

Foi preciso dez meninos perderem a vida para as autoridades agirem.

A partir de hoje está devidamente interditado.

É um local onde pessoas correm risco de vida...

Curta a página R7 Esportes no Facebook

Veja quem são as vítimas da tragédia no CT do Flamengo

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.