Cosme Rímoli Neymar declara guerra aberta ao jogador mais poderoso do PSG: Mbappé. Não deseja paz. Quer os pênaltis de volta

Neymar declara guerra aberta ao jogador mais poderoso do PSG: Mbappé. Não deseja paz. Quer os pênaltis de volta

Apesar de uma atuação fabulosa, ontem, contra o Montpellier, quando foi aplaudido de pé, Neymar não se contentou. Usou as redes sociais para mostrar que deve voltar a cobrar pênaltis. Tirar o privilégio de Mbappé

  • Cosme Rímoli | Do R7

Neymar endossou críticas ao PSG por ter tornado Mbappé o cobrador oficial de pênaltis. É guerra

Neymar endossou críticas ao PSG por ter tornado Mbappé o cobrador oficial de pênaltis. É guerra

AFP

São Paulo, Brasil

Pourquoi l'a-t'il fait?

Essa foi a pergunta que dominou os debates dos programas esportivos franceses, ontem, após a rodada do Campeonato Nacional. 

Os jornalistas perguntavam, em tradução para o português: "Por que ele fez isso?".

O questionamento era outra vez em relação a Neymar.

Eles se referiam à postura pública do brasileiro, que usou seu melhor escudo, as redes sociais, para protestar contra a imposição de que Mbappé seja o principal cobrador de pênaltis do PSG. 

A maior estrela do futebol francês surpreendeu a todos que não conhecem os novos bastidores do clube ao pegar a bola para cobrar um pênalti, aos 23 minutos da partida do PSG contra o Montpellier, ontem, em Paris.

Desde que chegou ao PSG, em 2017, Neymar sempre foi o cobrador oficial do clube.

A partida estava empatada em 0 a 0.

Mbappé cobrou forte, no canto esquerdo, a meia altura. A postura do seu corpo indicou o canto ao goleiro suíço Omlin, que defendeu sem esforço.

Aos 45 minutos, o PSG já vencia o jogo por 1 a 0, gol contra de Sacko. Outro pênalti para o clube parisiense. Desta vez, Neymar foi para a bola.

Sabendo que estava no foco de todas as câmeras do estádio Parque dos Príncipes, ele beijou a bola. Vivido, tinha a certeza de que estaria em close em todas as TVs e nos telões da arena francesa.

Com a ginga do corpo, ele fez Omlin se atirar, desesperado, para o canto esquerdo. Enquanto batia no direito.

Ao marcar, o brasileiro saiu fazendo caretas, feliz, irônico. Com a língua de fora.

Neymar também faria o terceiro, de cabeça, contra o fraco adversário. 

Mbappé ainda faria o quarto gol, desviando cobrança de escanteio.

O jogo terminou de maneira perfeita para Neymar. Ele teve excelente atuação. E foi substituído aos 45 minutos do segundo tempo por Ekitiké.

Na Europa é tradicional.

O melhor homem em campo sair quando a partida estiver decidida só para receber os aplausos dos torcedores. O treinador Christophe Galtier sabe que Neymar precisa reconstruir sua relação, principalmente com as organizadas do PSG, desgastada nestes cinco anos.

Ele foi aplaudido de pé.

Inclusive por membros da Ultra, a principal torcida organizada, que no ano passado exigia a saída do brasileiro, levando faixas com palavrões ofensivos.

Tudo perfeito?

Não para Neymar.

Ele não engoliu a exigência de Mbappé de ser o cobrador oficial de pênaltis do PSG a partir desta temporada. Foi uma das situações que exigiu para permanecer na França e não ir jogar no Real Madrid.

A imprensa francesa já desconfiava dessa situação, que se concretizou ontem.

Neymar tem 354 gols na carreira. Com o de ontem, chegou a 71 de pênaltis.

Mpabbé chegou a 226 gols. E fez "apenas" 20 de penalidades.

Quando, em 2011, Ronaldo Fenômeno chegou a orientar Neymar e seu pai, o ex-jogador foi categórico. Ele teria de fazer duas coisas na carreira. Exigir a camisa 10 da seleção brasileira.

E, principalmente, tornar-se o cobrador oficial de pênaltis onde jogasse.

Quanto mais gols, mais dinheiro, mais prestígio, mais reconhecimento, mais prêmios. Porque, no final das contas, serão poucos que destacarão que muitos gols foram de pênalti.

Neymar confirmou o motivo que fez de Mbappé o cobrador oficial de pênaltis do PSG

Neymar confirmou o motivo que fez de Mbappé o cobrador oficial de pênaltis do PSG

Reprodução/Twitter

Desde então, Neymar levou a ferro e fogo os conselhos de Ronaldo, com quem o pai preferiu não trabalhar, por entender que não precisava. Ele mesmo seria o empresário e dono de todas as ações comerciais que envolvessem o filho.

Esta é a resposta à pergunta mais repetida em francês, ontem, após a noite perfeita de Neymar.

Pourquoi l'a-t'il fait?

Porque seu perfil oficial curtiu, ou seja, concordou, para o mundo, que Mbappé havia tomado o seu direito de cobrar os pênaltis do PSG, como exigência contratual. E que o francês cobra muito pior do que ele. E que o técnico Galtier é conivente com a situação.

“Hoje, no jogo do PSG, Neymar fez o gol e HUMILHOU o goleiro (mais uma vez) na cobrança do pênalti. Já Mbappé bateu MUITO mal e perdeu. Após o jogo, o treinador disse que Mbappé será o principal batedor do time na temporada. Um absurdo!"

“Agora é oficial, Mbappe é quem bate os pênaltis no PSG. Claramente isso é coisa de contrato, pois em nenhum clube do mundo que tenha Neymar ele seria o segundo cobrador, nenhum!! Parece que, por causa do contrato, Mbappe é o dono do PSG!!"

Ao "curtir" esses posts, escritos pelos perfis @neymargiabr e @brasilfutbr, Neymar decidiu escancarar a situação, que é injusta, já que é mesmo excelente cobrador de pênaltis, muito melhor do que Mbappé.

Mas que deveria ser resolvida internamente.

Neymar criou um clima pesado para ele mesmo, em um início de temporada impressionante, como havia anos não acontecia.

Ele não se conforma que, agora, a principal estrela do PSG seja oficialmente Mbappé.

Neymar deve seguir treinando a sério, poupando-se das noitadas. E entender, como profissional, a situação.

A direção do PSG mudou o comando do futebol para Mbappé ficar. Instalou um regime de forte cobrança, como acontece nos grandes clubes do mundo, no Bayern, no Real Madrid e, sim, no Barcelona, onde jogou.

Neymar quer voltar a garantir seus gols de pênalti.

Mas escolheu o caminho do confronto, do desgaste.

O pai e empresário não controla as atitudes pessoais de Neymar. Como as que buscam o desgaste

O pai e empresário não controla as atitudes pessoais de Neymar. Como as que buscam o desgaste

Reprodução/Twitter

Seu pai e empresário jamais deveria permitir essa estratégia infantil.

Mas não controla todas as atitudes do filho, de 30 anos, como ficou explícito na série sobre o jogador, feita pela Netflix, que mostra a realidade do principal jogador atual do Brasil. Inclusive a familiar.

Ela tem o acertado nome de O Caos Perfeito.

Ou seja, o fim de semana, que deveria ser apenas de palmas para Neymar e sonhos sobre o que ele poderá fazer na Copa do Mundo, virou polêmica, questionamento.

E declaração de guerra contra o principal jogador do PSG.

O mais amado pela França, a três meses da Copa do Mundo.

Além de ser o de maior prestígio na direção do clube.

Kylian Mbappé.

Esta briga pode não ter final feliz para o brasileiro...

Só fotão: veja as melhores fotos da semana no esporte

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas