Cosme Rímoli Nem gol do título da Champions muda o status de Vinícius Junior na seleção de Tite. Para jogar, tem de se submeter a Neymar

Nem gol do título da Champions muda o status de Vinícius Junior na seleção de Tite. Para jogar, tem de se submeter a Neymar

Com Tite, Neymar joga como quer. Do meio para a esquerda, justo o setor do melhor brasileiro no exterior: Vinícius Junior. Por isso seu desempenho na seleção é muito abaixo do que no Real Madrid

  • Cosme Rímoli | Do R7

São Paulo, Brasil

Com Neymar, o privilégio dentro do campo é dele. Vinícius Junior que se adapte

Com Neymar, o privilégio dentro do campo é dele. Vinícius Junior que se adapte

Lucas Figueiredo/CBF

Demorou 11 anos.

Mas já há um jogador brasileiro que é mais importante do que Neymar no cenário internacional.

Vinícius Junior.

Antes mesmo de marcar o gol que decidiu a Champions League para o Real Madrid, o atacante, de 21 anos, já era revenciado como o mais importante atleta fora do país.

Inclusive nos valores. Site especializado em transferências avalia Vinícius Junior em 100 milhões de euros, cerca de R$ 507 milhões. E Neymar, decaindo, menos da metade do valor pelo qual foi comprado pelo PSG. Os 222 milhões de euros, cerca de R$ 1,1 bilhão, ficaram em 2017. O atacante de 30 anos vale "apenas" 90 milhões de euros, cerca de R$ 456 milhões. 

Vinícius Junior já é uma realidade incontestável no Real Madrid de Carlo Ancelotti, quando tem o lado esquerdo de ataque todo para fazer o que quiser. Dar arrancadas, dribles, cortar para o meio, entrar na diagonal, como marcou o gol de sábado.

O problema de Vinícius Junior está na seleção brasileira.

Assim como Mano Menezes, Felipão e Dunga, Tite criou, ao longo dos anos, uma dependência inacreditável de Neymar.

E o atacante do PSG está mais do que acostumado a usufruir todos os privilégios que o treinador da seleção reserva para ele. Desde ser o único jogador a instalar sua família no hotel do Brasil durante a Copa do Mundo, até a cobrar todas as faltas e pênaltis que quiser. 

Mas principalmente jogar onde gosta. Anos atrás, quando tinha mais arranque, velocidade, capacidade de dribles, Neymar atuava exatamente na esquerda. Como Vinícius Junior faz. 

A partir de 2020, o técnico alemão Thomas Tuchel percebeu que, sem as arrancadas, o melhor seria fazer com que Neymar atuasse como meia do PSG. Sem a obrigação de marcar. Apenas construir as jogadas ofensivas de frente para os adversários. Com a liberdade total de cair na esquerda, onde está acostumado desde menino a atuar. E ficar pelo setor muitos minutos do jogo.

Desde junho de 2016 é a mesma submissão de Tite a Neymar. Ninguém rompe essa dependência

Desde junho de 2016 é a mesma submissão de Tite a Neymar. Ninguém rompe essa dependência

AFP

Ele segue atuando assim com o argentino Mauricio Pochettino no time francês.

Depois do fiasco na Copa do Mundo na Rússia, Tite passou a utilizar Neymar da mesma maneira que Tuchel. O camisa 10 joga como meia, com liberdade para ficar na esquerda.

Se Tite mantiver essa postura privilegiada para Neymar, vai roubar espaço importante, complicar a vida de Vinícius Junior na seleção brasileira. Porque o jogador do Real Madrid não terá outra saída a não ser revezar com o camisa 10 de Tite. Deixar o seu setor onde é especialista para atuar como improvisado como meia, onde não consegue render.

Não há outra solução.

Neymar sabe que, aos 30 anos, não tem a mesma condição física que Vinícius Junior, com 21 anos.

Mas o jogador do PSG aprendeu com Ronaldo Fenômeno, que o orientava nos primeiros dias de seleção brasileira, que o melhor jogador do país tem de agir como "presidente". Ou seja, o atleta com quem todos precisam estar bem, agradar. Até por ser o protegido do técnico. Mesmo não sendo necessariamente um líder dentro de campo. 

Vinícius Junior convocado contra a Argentina. Por conta de contusão de Roberto Firmino

Vinícius Junior convocado contra a Argentina. Por conta de contusão de Roberto Firmino

CBF

Neymar exerce com a mesma firmeza de Ronaldo, que aprendeu com Romário que a seleção tem hierarquia. E que ele é o jogador que todos precisam respeitar. A submissão dos demais atletas a Neymar em cada convocação é absurda. Na Copa de 2018, Gabriel Jesus, por exemplo, se sacrificou, marcando a saída de bola adversária por ele e por Neymar.

Richarlison costuma fazer o mesmo que Gabriel Jesus.

Philippe Coutinho e Daniel Alves, especialistas em bolas paradas, deixam todas as cobranças para Neymar. Só quando ele não quiser bater eles se candidatam. E não reclamam.

A estrutura da seleção brasileira já está montada há anos para esse privilégio para o "presidente". Quem chega tem de se submeter. 

É o jogo. 

"O Ney é um grandíssimo jogador, que está há bastante tempo na seleção e que faz de tudo para me ajudar dentro e fora de campo.

"(...) Estou aqui para seguir evoluindo e aprendendo com o Ney e com os outros atletas do elenco", disse Vinícius Junior, em março, antes da partida contra o Chile pelas Eliminatórias.

Na seleção brasileira, ele tem dez partidas e apenas um gol. 

Seu futebol é muito pior do que no Real Madrid.

E Neymar tem enorme influência por ocupar o seu espaço em campo.

Tite não pode nem vai entrar em choque com o camisa 10 do PSG por conta do camisa 20 do Real Madrid.

O treinador da seleção não se mostrou o maior fã de Vinícius Junior. Pelo contrário. Deixou claro, escancarado, em novembro de 2021, que preferia Antony. 

"Vinícius Junior, um grande jogador, com potencial de crescimento impressionante, num grande momento no clube, que concorre naqueles atletas, digamos assim, atacantes agressivos. Agudo, o ponta que vai para dentro. O desempenho e a oportunidade que Raphinha e Antony tiveram, foi um momento importante para a convocação, com todo o respeito nessa concorrência leal que a gente procura."

Tite não havia convocado Vinícius Junior para a partida contra a Argentina pelas Eliminatórias. Foi massacrado pela crítica. Só o chamou porque Roberto Firmino se contundiu. 

Seis meses depois, com Antony contundido, Vinícius Junior foi convocado para os amistosos contra a Coreia do Sul e Japão. Chega a Seul com status de homem que decidiu a Champions League.

Mas encontrará o "presidente" Neymar e seus privilégios dentro e fora de campo.

Esperto, o camisa 10 da seleção disse que, por ele, Vinícius Junior seria escolhido como o melhor do mundo em 2022. Situação que Neymar sabe que não vai ocorrer. O prêmio será de Benzema. Mas é uma atitude política importante, mostra que ele reverencia o companheiro de Brasil.

Só que não abrirá mão de jogar onde quer.

Nem Tite terá coragem de contrariá-lo. 

Impedir que ele "roube" o setor onde Vinícius Junior joga melhor.

Vinícius Junior e Neymar. Todo o respeito, a reverência ao 'presidente' da seleção

Vinícius Junior e Neymar. Todo o respeito, a reverência ao 'presidente' da seleção

Reprodução/Instagram

Essa é a situação.

Vinícius Junior que se contente em atuar pela esquerda quando Neymar deixar.

Não é de estranhar o fraco rendimento do atacante do Real Madrid na seleção.

Basta acompanhar com atenção.

Tite privilegia Neymar e trava toda a explosão, o talento de Vinícius Junior.

Sem um pingo de constrangimento, dor na consciência.

Privilégio para jogar como quer é de Neymar.

E ponto-final.

Não interessa o que acontece no Real Madrid.

Na Champions League.

É assim desde que Tite assumiu em junho de 2016...

Tango D10S: conheça o museu dentro de avião em homenagem a Maradona

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas