Cosme Rímoli Lisca isolado. Futebol vai continuar. Apesar do pior momento da Covid

Lisca isolado. Futebol vai continuar. Apesar do pior momento da Covid

A CBF tem o apoio do governo federal e dos Estados. Futebol não vai parar, mesmo com o pior momento da pandemia

  • Cosme Rímoli | Do R7

Lisca, apavorado, pede a paralisação da Copa do Brasil. Por conta da Covid. Em vão

Lisca, apavorado, pede a paralisação da Copa do Brasil. Por conta da Covid. Em vão

Mourão Panda/América

São Paulo, Brasil

Lisca não é doido.

Mas está sozinho.

"Nosso país parou, gente.

"Não tem lugar nos hospitais, eu estou perdendo amigos, amigos treinadores.

"É hora de segurar a vida. Aqui no Mineiro tudo bem, é mais perto, mas como vão levar uma delegação do norte para o Sul. Presidente Caboclo, pelo amor de Deus, Juninho Paulista, Tite, Cléber Xavier, autoridades. Nós estamos apavorados.

“Eu não sei de parar o Campeonato (Mineiro) agora, mas a Copa do Brasil a gente vai ter de repensar. São 80 times do Brasil inteiro, nós não podemos colocar 80 delegações dentro de avião, dentro de aeroporto.

"Estamos morrendo quase duas mil pessoas por dia. Nós não temos a vacina. Nós não podemos comprar a vacina, para a indústria privada vender para a população, não estamos avalizando a vacina produzida aqui.

"É o país que menos vacina.

"Daqui a pouco não poderemos sair daqui para ir para lugar nenhum. Nós estamos muito preocupados, está havendo reinfecção dos jogadores. É um novo vírus, uma cepa nova, muito mais forte", desabafou o treinador América Mineiro, ontem, antes da partida contra o Athletic, pelo Campeonato Mineiro.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgou ontem.

O Brasil registrou oficialmente 1 910 mortes por Covid-19 em 24 horas.

O dia mais letal desde o início da pandemia no país, em março de 2020. 

São perto de 260 mil brasileiros mortos.

O desabafo de Lisca Doido faz todo o sentido.

Só que não será levado a sério.

A CBF não irá paralisar o futebol no país.

A cúpula da entidade tem como parâmetro a Europa, que vive também seu pior momento.

Os jogos seguirão também porque há o apoio do governo federal.

E os governadores querem que as partidas aconteçam, até como forma de aliviar o estágio vermelho, com inúmeras restrições, que o Brasil mergulhou.

Renato Gaúcho não concorda com Lisca. "Estamos fazendo um favor ao povo"

Renato Gaúcho não concorda com Lisca. "Estamos fazendo um favor ao povo"

Lucas Uebel / Grêmio

Para piorar, Lisca está isolado.

Sem apoio dos seus companheiros de profissão.

"Adoro o Lisca e cada um tem sua opinião. O futebol é o local mais seguro, não que seja 100%. Mas a gente está fazendo, entre aspas, um favor ao povo. No momento que a gente joga a gente ajuda o torcedor a ficar em casa. Não pode parar tudo no país", retrucou Renato Gaúcho, treinador do Grêmio.

"Pelo lado do ser humano Felipe, essa questão da pandemia incomoda. Incomoda toda sociedade, o mundo todo. A gente está vivendo um momento atípico. Por outro lado, o Felipe treinador não tem a responsabilidade de definir se a competição vai continuar, se as autoridades estão corretas ou não, porque elas têm capacidade, números, análises, seja na área de saúde, seja nossos governantes, para tomar as decisões devidas.

"O que me cabe, sou funcionário do Cruzeiro, se tiver jogo sábado eu vou e vou procurar melhorar o time, que é isso que eu tenho que fazer. Essa é minha função. E vou continuar trabalhando e me esforçando ao máximo para que a equipe cresça. Questões políticas e governamentais não me cabem", disse Felipe Conceição, técnico do Cruzeiro.

A cúpula do próprio América Mineiro não apoia Lisca Doido.

Quer a sequência dos jogos.

Ou seja, seu protesto foi firme, corajoso.

Válido.

Mas não terá consequências.

Todos os torneios estão confirmados pela CBF.

Inclusive a Copa do Brasil...

Últimas