Cosme Rímoli Gerson não depõe. E esvazia acusação de racismo

Gerson não depõe. E esvazia acusação de racismo

O volante do Flamengo não depôs hoje no STJD. 'Matou' a denúncia que fez contra Ramírez, do Bahia, que o teria chamado de 'negro'.

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gerson e Ramírez. O volante estava revoltado. E hoje deixa de depor. Tudo muito estranho

Gerson e Ramírez. O volante estava revoltado. E hoje deixa de depor. Tudo muito estranho

Reprodução/Premiere

São Paulo, Brasil

"Tenho vários jogos pelo profissional e nunca vim na imprensa falar nada porque nunca tinha sofrido preconceito, nem sido vítima nenhuma vez. O Ramirez, quando tomamos acho que o segundo gol, o Bruno fingiu que ia chutar a bola e ele reclamou com o Bruno.

"Eu fui falar com ele e ele falou bem assim para mim:

"'Cala a boca, negro'.

"Eu nunca falei nada disso, porque nunca sofri.

"Mas isso aí eu não aceito."

Esse depoimento de Gerson, após a vitória do Flamengo sobre o Bahia, por 4 a 3, mobilizou o país, no dia 20 de dezembro de 2020.

Principalmente a crônica esportiva, que ficou contra o colombiano do Bahia.

Mas as câmeras de transmissão não flagraram as palavras que teriam sido ditas por Ramírez.

Os auditores STJD que poderiam tomar uma atitude histórica, se comprovada a atitude racista, estavam em recesso para as festas do final do ano. E assim continuaram, atrasando a análise da denúncia.

O assunto racismo sempre foi um incômodo para o futebol brasileiro.

Os veteranos treinadores Vanderlei Luxemburgo e Luiz Felipe Scolari sempre defenderam que as ofensas trocadas dentro de campo, fiquem por lá. Como se dentro do gramado não houvesse lei, respeito às pessoas e que o racismo não fosse crime.

A direção do Flamengo garantiu que levaria o caso "às últimas consequências". Até para servir como "exemplo" para a sociedade.

O próprio Bahia chegou a afastar o jogador.

Mano Menezes comparou a acusação de Gerson à 'malandragem'.

O meio-campista do Flamengo depôs na à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, no dia 22 de dezembro.

"Vim falar sobre o ocorrido, mas não vim falar apenas sobre mim. Falo pela minha filha, que é negra. Pelos meus sobrinhos, que são negros. Meu pai, minha mãe, amigos... por todos os negros. Hoje tenho status de jogador de futebol e voz ativa para falar e dar força a quem sofre racismo ou outros tipos de preconceito."

Mano Menezes comparou a acusação de racismo à 'malandragem'

Mano Menezes comparou a acusação de racismo à 'malandragem'

ALEXANDRE DURÃO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO - 20.12.2020

O Ministério Público investiga a denúncia de injúria racial.

De maneira paralela, a questão corria na esfera esportiva.

Lenta como o sistema judiciário deste país.

O Flamengo, de maneira estranha, queria que o STJD esperasse a decisão da justiça comum.

O tribunal não só não atendeu, como fez questão de exigir o depoimento de Gerson;

O clube carioca marcou para hoje, dia 3.

Seria por videoconferência.

Só que, de maneira mais estranha, Gerson não depôs, às 10h30.

A desculpa é que estaria 'concentrado' para o clássico de amanhã, às 21 horas.

Hoje à tarde, Ramírez e Mano Menezes prestarão seus depoimentos.

O treinador está desempregado, foi mandado embora do Bahia.

Mas o volante jogará ainda nesta noite, às 21h30, contra o Fluminense.

Não foi usada a desculpa de 'concentração'.

A tendência, diante da atitude do jogador do Flamengo, que teria agido a mando do clube, é que a acusação de racismo.

O zagueiro flamenguista Nathan que, segundo Gerson, teria ouvido a ofensa, também não depôs.

Com essa situação, o caso deverá ser arquivado, por falta de provas.

 E Ramírez escapará do artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva: praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

A pena é de seis a dez jogos. Mais multa entre R$ 100,00 e R$ 100 mil.

A situação deve atingir também a esfera civil.

E o caso 'esquecido'.

A postura do Flamengo, de Gerson é inaceitável.

Inaceitável, se houve a 'injúria racial' de Ramírez.

O próprio jogador 'matou' a denúncia...

Palmeirenses têm até suítes no avião em que viajam ao Qatar

Últimas