Cosme Rímoli Galiotte. Maior obstáculo para volta do "Paulistinha" na pandemia

Galiotte. Maior obstáculo para volta do "Paulistinha" na pandemia

Presidente do Palmeiras, desde a final do Paulista de 2018, tem problema com FPF. Não aceita volta imediata do Paulista. Promete não jogar de jeito algum

  • Cosme Rímoli | Do R7

Galiotte garante. Palmeiras não joga no interior ou com medo do coronavírus

Galiotte garante. Palmeiras não joga no interior ou com medo do coronavírus

CBF

São Paulo, Brasil

"Digo ao torcedor palmeirense:

"Esqueçam esse Paulistinha. 

"O Palmeiras é maior que um Paulistinha.

"Vai brigar por coisas grandes."

Jamais um presidente de clube atacou o Campeonato Paulista quanto Mauricio Galiotte, em 2018, após a final do torneio, contra o Corinthians.

Não foi e não permitiu que nenhum dos oito jogadores, que formavam a Seleção do Paulista daquele ano, e o então técnico Roger Machado escolhido melhor do torneio, fossem à festa da premiação da Federação Paulista.

Foi um vexame histórico.

No ano seguinte, ainda com o Palmeiras rompido, o clube não permitiu que Dudu, escolhido com o melhor no Paulista de 2019, fosse à festa.

Novo constrangimento. 

O Palmeiras não mandou representantes para reuniões importantes na FPF. Para marcar seu descontentamento.

O presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, buscou se aproximar de Galiotte, através de intermediários, mas suas tentativas se mostraram frustradas.

Só quando, no final de 2019, o Palmeiras teve exigências atendidas, como o uso do VAR no Pauista, troca do comando de arbitragem e divulgação do áudio do VAR, houve certa paz.

Galiotte é considerado por conselheiros influentes e por membros de sua diretoria, como um homem de palavra.

E que sempre externa suas opiniões

Ele não falou "Paulistinha" por  falar.

O dirigente acredita que a prioridade precisa ser com o torneio mais importante, mais  lucrativo como a Libertadores para o Palmeiras. E o Paulista vira Paulistinha, de novo.

A relação entre Palmeiras e FPF desde então é meramente formal.

E tem tudo para voltar a ser tumultuado.

A entidade quer, de qualquer maneira, mostrar sua força.

Enfrentando até a pandemia do coronavírus.

E quer que o Paulista, suspenso desde o dia 16 de março, volte, de qualquer maneira, em maio.

Fazer jogos com portões fechados ao público.

A esmagadora maioria dos clubes quer o retorno por dinheiro. Da Globo, da arrecadação, da premiação.

Só Galiotte decidiu ser muito claro.

Se as partidas não tiverem a liberação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde, o Palmeiras não entrará em campo.

Galiotte não quer expor os jogadoress palmeirenses. 

Como também evitar futuros processos, caso qualquer atleta fique infectado defendendo o Palmeiras na sequência do Paulista.

O recado já foi dado para Reinaldo Carneiro.

Outra vez, intermediários tentam evitar a briga.

Mas Galiotte, amparado pela diretoria, por conselheiros, pela Crefisa e Puma.

Sem liberação total das autoridades de saúde, o Palmeiras não entrará em campo.

E também se nega a levar o clube, caso o final do torneio aconteça em uma cidade interiorana.

Esta será sua postura na reunião virtual da FPF, amanhã, às 15 horas, para definir a continuidade ou não do Paulista.

Sem o Palmeiras seria desmoralizante continuar com o campeonato.

Pessoas ligadas a Reinaldo Carneiro estão realmentte preocupadas.

O presidente da FPF pode acabar desafiado e o Paulista entrar em um desmoralizante impasse.

Galiotte se tornou uma grande obstáculo para a Federação Paulista.

Alguns enxergam na atitude de Galiotte, a revanche pela final do Paulista de 2018.

Reinaldo e Galiotte prometem a mesma coisa.

Não recuar na reunião de amanhã...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Veja sete dicas dos boleiros para aguentar a quarentena feliz

Últimas