Cosme Rímoli Corinthians deve mais de R$ 1,6 bilhão. Mais de R$ 200 milhões são para empresários de jogadores. Situação assustadora

Corinthians deve mais de R$ 1,6 bilhão. Mais de R$ 200 milhões são para empresários de jogadores. Situação assustadora

Quando o presidente Augusto Melo completa um mês na presidência, a revelação que o clube deve mais de R$ 200 milhões a empresários de jogadores. Só a Carlos Leite, são mais de R$ 62 milhões

  • Cosme Rímoli | Do R7

Fagner, Carlos Leite e Gil. O empresário fez inúmeros negócios com a antiga diretoria. E agora, com a nova

Fagner, Carlos Leite e Gil. O empresário fez inúmeros negócios com a antiga diretoria. E agora, com a nova

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Virou uma velha prática em alguns clubes.

Empresários de jogadores de futebol viram credores.

Na maioria das vezes, aceitam parcelar suas comissões nas negociações de jogadores que representam.

Ou até, quando a relação é mais íntima, emprestam diretamente dinheiro para os clubes contratarem atletas.

Muitas vezes, que são representados por eles mesmos.

É uma situação tolerada pelos membros da direção da situação, ou seja, de quem está no comando do clube. A oposição se revolta e, muitas vezes, vaza para jornalistas, o que acontece.

Mas basta opositores assumirem a presidência, que os empréstimos se tornam públicos.

Fora as cobranças na Justiça.

É que está acontecendo com o Corinthians.

Seu diretor financeiro, Rozallah Santoro, que chegou ao cargo há um mês, assumiu publicamente. As dívidas do clube passam do assustador valor de R$ 1,6 bilhão. 

E hoje, quando Augusto Melo completa 30 dias de poder pleno no clube, como presidente, a revelação.

O Corinthians deve mais de R$ 200 milhões a empresários de jogadores.

A maior delas, tornada pública, é com Carlos Leite, que agencia Cássio e Fagner.

E ele entrou na Justiça para cobrar R$ 62,5 milhões.

Alega que comissões de contratações e de renovações de contratos não foram pagas.

A relação de Leite, que já empresariou Mano Menezes, é tão íntima no Parque São Jorge, que ele já emprestou dinheiro ao clube. R$ 600 mil para o clube contratar Wellington Saci e Eduardo Ramos. Jogadores que eram empresariados pelo próprio Leite. A transação aconteceu em 2008, quando Mano era treinador e Andrés Sanchez, o presidente.

Para chegar à quantia de R$ 62,5 milhões, Leite detalhou, em três ações diferentes, inúmeras comissões não recebidas de jogadores 'seus'.

Cássio, Renato Augusto, Fagner, Mateus Vidal, Camacho, Cristian, Matheus Matias, Gil, Ramon Mota, Felipe Bastos, Elias.

Além disso, Carlos Leite intermediou um contrato envolvendo placas de publicidade, entre 2025 e 2029. E também não recebeu a sua parte.

O antigo grupo que comandava o clube, Renovação e Transparência, saiu do poder devendo R$ 30 milhões ao empresário Will Dantas, na negociação do atacante Pedrinho.

Não bastasse essa 'íntima relação com empresários', as contas de R$ 38,8 milhões foram bloqueadas ontem.

Pela antiga patrocinadora máster do uniforme, a PixBet, que exige multa de R$ 20 milhões pela exclusividade entre os patrocinadores do clube ligados a casas de apostas. O Corinthians fechou com a VaideBet, concorrente da PixBet.

E, além disso, quer o dinheiro de volta que já pagou ao clube.

O presidente Augusto Melo primeiro disse que a multa seria paga pela nova patrocinadora.

Mas, depois, foi revelado que a dívida era do clube.

E Melo mandou avisar que 'se enganou', e o Corinthians vai pagar.

Esses graves problemas financeiros são expostos, justo quando o time começa 2024 de forma vexatória.

Acumulando três derrotas seguidas.

Com o trabalho de Mano Menezes já sendo questionado.

E com Augusto Melo completando um mês na presidência.

O cenário é assustador.

Mas nada é por acaso no futebol...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas