Cosme Rímoli Bruno Henrique garantiu a final da Libertadores mais desejada. Palmeiras e Flamengo

Bruno Henrique garantiu a final da Libertadores mais desejada. Palmeiras e Flamengo

Outra vez, o Flamengo se impôs diante do Barcelona. Mesmo no Equador, o time carioca venceu com personalidade, a partida decisiva da semifinal. Vai decidir o título da Libertadores contra o Palmeiras, no Uruguai

  • Cosme Rímoli | Do R7

Bruno Henrique, marcou dois gols. Mas em assistências fantásticas de Everton Ribeiro

Bruno Henrique, marcou dois gols. Mas em assistências fantásticas de Everton Ribeiro

Conmebol

São Paulo, Brasil

Será a final de Libertadores sonhada.

O tira-teima que o atual futebol brasileiro merecia.

Flamengo e Palmeiras farão a final da Libertadores da América de 2021, dia 27 de novembro, em Montevidéu.

Os dois clubes com maior investimento tradicional, com patrocinadores, transmissão de tevê, vendas de jogadores, arrecadação. Não dependem de mecenas.

O campeão de 2019 enfrentará o de 2020.

O Flamengo conseguiu a classificação de forma impressionante, com 17 jogos invicto na Libertadores.

O time de Renato Gaúcho venceu hoje, de novo, o Barcelona de Guayaquil, no Equador, com direito a um show particular de Bruno Henrique, autor dos gols na vitória por 2 a 0. Assim como havia feito no Maracanã, na semana passada. 

Ele simplesmente virou o carrasco do Barcelona.

O Flamengo demonstrou toda superioridade técnica, estrutura tática e entrosamento. Afinal, oito jogadores que foram campeões da Libertadores em 2019 estavam em campo, no Equador.  E muito bem articulado. 

Bruno Henrique explorou, com talento, velocidade e objetividade, as costas de Castillo

Bruno Henrique explorou, com talento, velocidade e objetividade, as costas de Castillo

Conmebol

Time fortalecido na intermediária e pronto para articular arrancadas em contragolpes, principalmente pela esquerda, com Bruno Henrique especialmente inspirado. Ele parece ter encontrado a maneira de marcar gols contra o time equatoriano, fez os quatro gols nas duas partidas semifinais.

Andreas Pereira também teve uma atuação excelente, misturando técnica e força física. Dando tranquilidade na marcação, mas habilidade na articulação dos contragolpes e personalidade para acertar a trave de Burrai.

Everton Ribeiro também jogou por ele e por Arrascaeta. O uruguaio hoje não conseguiu render, estava displicente. Faltava concentração e precisão nos passes e arremates. Gabigol também se movimentou pouco, facilitou a forte marcação.

Renato queria e conseguiu fazer o time se impor. Ditar o ritmo do jogo que era o mais favorável. E sem tanto sofrimento. Apesar da saída de David Luiz sentir dores na virilha esquerda, com nove minutos de jogo. E das falhas da zaga nas bolas cruzadas pelo alto na área flamenguista. Rodrigo Caio segue falhando no tempo do cabeceio, facilitando o trabalho dos atacantes adversários.

O plano tático do Flamengo foi simples e eficiente. Renato Gaúcho sabia que Bustos iria colocar o Barcelona marcando forte, tentando diminuir a vantagem de dois gols logo no início do jogo. E ele postou seu time protegendo as intermediárias e pronto para os contragolpes, nas costas do ótimo lateral Castillo, muito ofensivo, mas que o time equatoriano não preparou uma boa cobertura.

Logo aos 17 minutos, em um contragolpe, Everton Ribeiro deu um passe sensacional, entre a zaga, para Bruno Henrique. Ele driblou o goleiro Burrai e empurrou para as redes. 1 a 0. E todos no estádio Monumental no Equador sabiam. O Flamengo estava na final com o Palmeiras. Não havia como o Barcelona tirar a vantagem de três gols, no agregado, somando as duas partidas.

Mesmo assim, com ousadia, os equatorianos tentavam ao menos vencer o jogo. Mas o Flamengo não deixava, não arredava pé de sua forte marcação antes da entrada na área. Seguia seu plano tático muito bem esquematizado. Prendia os laterais. E ia para o confronto nas bolas cruzadas.

Bruno Henrique comemora com a bola na barriga. Esposa grávida foi motivação a mais

Bruno Henrique comemora com a bola na barriga. Esposa grávida foi motivação a mais

Santiago Arcos/Reuters

Willian Arão também teve ótimo rendimento à frente da zaga. Diego Alves estava com os reflexos em dia, compensando falhas, principalmente pelo alto, do sistema defensivo flamenguista.

No segundo tempo, Bruno Henrique 'estragou' de vez a partida. Logo aos quatro minutos, muito bem colocado, recebeu assistência 'de cinema' de Everton Ribeiro. 2 a 0.

Com a vitória e classificação para a final da Libertadores decididas, Renato Gaúcho passou a poupar seus titulares. E esperar pelo fim do jogo.

O Flamengo tentará seu tricampeonato.

Contra, hoje, seu grande rival no Brasil: o Palmeiras...

Fla volta a vencer o Barcelona-EQU e está na final da Libertadores

Últimas