Cosme Rímoli Bernard, a grande vítima de Felipão, nos 7 a 1. Acabou nos Emirados

Bernard, a grande vítima de Felipão, nos 7 a 1. Acabou nos Emirados

O jogador de 28 anos tinha planos de jogar por um gigante europeu. Mas sua carreira regrediu depois do marcante 7 a 1 para Alemanha. Foi muito prejudicado. E vai jogar nos Emirados Árabes

  • Cosme Rímoli | Do R7

Felipão escalou Bernard sem fazer um treino com ele entre titulares. 7 a 1 marcou sua carreira

Felipão escalou Bernard sem fazer um treino com ele entre titulares. 7 a 1 marcou sua carreira

Reprodução/ESPN

São Paulo, Brasil

"Estou doidinho para colocar o Bernard."

"Nossa Senhora!"

"Que alegria nas pernas tem aquele guri!"

As palavras de Luiz Felipe Scolari viraram uma maldição para Bernard.

O então treinador da Seleção Brasileira queria desviar o foco de não convocar Ronaldinho Gaúcho, em 2013, para a Copa das Confederações. E tratou de jogar toda a responsabilidade para o meia-atacante de 1m64, que também atuava no Atlético Mineiro, campeão da Libertadores de 2013.

A expressão 'alegria nas pernas' ficou tatuada na testa de Bernard. Toda entrevista que ele dava, o termo era relembrado.

Até que ele foi o escolhido por Felipão para substituir Neymar, contundido. Ele seria a 'grande surpresa' no time brasileiro, que atuaria no Mineirão, na semifinal da Copa do Mundo. Contra a Alemanha.

O jogador franzino, nervoso, tenso, não conseguiu produzir nada em campo.

Tão ou mais perdido que Bernard, Felipão deixou em campo o improdutivo meia.

A partida marcou definitivamente a carreira do jogador, que tinha 21 anos.

Depois da Copa do Mundo de 2014, ele foi deixado de lado pela Seleção.

Ele revelou o choque que foi ao ser escolhido por Felipão para substituir Neymar. Deixou claro, em 2015, como foi péssima a preparação psicológica do Brasil, em 2014.

"Tomei (remédio para dormir) duas vezes (na Copa): antes do jogo, porque fiquei sabendo na noite anterior que jogaria, e depois, porque foi uma noite complicada para todos. Ninguém conseguiu explicar o que aconteceu."

"O Felipão me falou na noite anterior (que substituiria Neymar). Foi a melhor forma para que o jogador que entrasse e pudesse se preparar sem perder a concentração."

"A (noite) seguinte foi mais difícil para dormir. Lembro chegando na Granja, para jantar, era um silêncio total, ninguém sabia explicar, cada um foi para um quarto. Para mim, foi horrível, não consegui dormir."

Remédio para dormir antes do jogo contra a Alemanha. Essa foi a preparação psicológica

Remédio para dormir antes do jogo contra a Alemanha. Essa foi a preparação psicológica

Reprodução/Sportv

A escalação de Bernard foi um erro imperdoável. O mais lógico seria Felipão ter colocado Ramires, para fechar a intermediária. Mas resolveu apostar na 'alegria nas pernas'.

A situação foi mais constrangedora, revelou Oscar, meia daquela Seleção.

"O Felipão treinou com Ramires, Paulinho e até o Willian, mas depois optou pelo Bernard. Não chegamos a treinar com o Bernard, mas sabíamos que ele faria a mesma função do Neymar. Não deu certo."

Sim, o Brasil não treinou uma vez sequer com Bernard como titular. E Felipão o colocou como titular naquela semifinal.

Desde então a carreira do meia-atacante estagnou.

Ficou muito abalado psicologicamente.

Foi uma vítima inocente daquele 7 a 1.

Seu futebol nunca mais foi o mesmo dos tempos do Atlético Mineiro.

Bernard terminou na reserva do Everton. Clube inglês não quis renovar seu contrato

Bernard terminou na reserva do Everton. Clube inglês não quis renovar seu contrato

Everton

Ele havia ido para o Shakhtar Donetsk com a certeza que iria para algum gigante europeu. Como deixou de ser chamado para a Seleção, como um dos símbolos do 7 a 1, cumpriu seu contrato de cinco anos na Ucrânia. Em alguns períodos como reserva.

Depois, em 2018, assinou com o Everton. Contrato de três anos. Mesma situação. Não se destacou. E acabou como reserva do reserva. Na última temporada, entrou em campo só 18 vezes. Apenas cinco como titular. Marcou três gols e deu uma assistência.

E ontem, depois de dispensado pelo clube inglês, assinou com o Sharjah FC, dos Emirados Árabes. Receberá 12 milhões de euros, cerca de R$ 62 milhões. O jogador de 28 anos sabe que sua carreira regrediu. Ele pode ter sua vida financeira resolvida. Mas o trauma do 7 a 1 jamais foi superado.

Ficou um jogador marcado. Em campo, demonstra ter perdido a confiança. As arrancadas, os dribles desconcertantes, ficaram para trás. Ele segue sendo muito rápido, técnico. Mas perdeu sua ousadia, sua naturalidade.

Bernard pode ter tudo.

Menos 'alegria nas pernas'.

Ao colocá-lo em campo sem sequer ter treinado com ele na equipe, em uma semifinal de Copa do Mundo, Felipão expôs Bernard para sempre.

O meia-atacante confiante, cheio de personalidade em campo, deixou de existir.

Foi a grande vítima dos 7 a 1.

Porque David Luiz foi irresponsável, deixando a zaga e se aventurando no ataque, Dante, zagueiro lento, não teve culpa de ser escalado no lugar do suspenso Thiago Silva, e nem criou expectativa ao entrar em campo.

Bernard, aos 28 anos, foi parar nos Emirados Árabes. Vai jogar no Sharjah

Bernard, aos 28 anos, foi parar nos Emirados Árabes. Vai jogar no Sharjah

Sharjah

Já o substituto de Neymar foi, até começar o jogo, a grande esperança de Felipão e de inúmeros brasileiros. Para quem não sabia que não havia treinado com os titulares, seu futebol foi extremamente decepcionante.

E sete anos depois, Bernard não está em nenhum gigante europeu.

Está indo para os Emirados Árabes, na periferia do mundo do futebol.

Jamais fez parte dos planos de Tite na Seleção.

Sua carreira nunca mais foi a mesma depois daquele 7 a 1.

Se tinha, a alegria nas pernas sumiu.

Para não mais voltar...

Em busca do ouro, Medina dá show no mar e pega pesado na academia

Últimas