A agonia do Palmeiras sem Dudu, que quer a Copa de 22, pelo Qatar

Na derrota para o Corinthians, o esforço não substituiu o talento, os dribles, de Dudu. Ele tem outro sonho: se naturalizar e disputar a Copa do Mundo

A ausência de Dudu é compatível à saída de Edmundo, em 1995, no auge

A ausência de Dudu é compatível à saída de Edmundo, em 1995, no auge

Palmeiras

São Paulo, Brasil

A dor é conhecida.

Remete a 1995.

Quando Edmundo, no auge, fez as malas.

O Palmeiras, ontem, foi mecânico, previsível, enfadonho.

Willian, Zé Raphael, Lucas Lima, Raphael Veiga, Rony.

Todos eles se esforçaram, correram, se deslocaram, buscaram tabelas, mas não conseguiram superar o esquema defensivo de Tiago Nunes.

Gustavo Scarpa, que o Palmeiras tenta negociar, ficou no banco.

Milhares de internautas, comentaristas esportivos dos mais variados veículos de comunicação desvendavam o segredo.

Faltou um jogador de talento, de arranque, velocidade, imprevisível.

Alguém como o maior driblador do Campeonato Brasileiro de 2019.

Ou do Paulista de 2019.

Um tal de Dudu.

O atacante de 28 anos, melhor jogador do Palmeiras, emprestado, de forma amadora, ao Al-Duhail, já fez muita falta logo na primeira partida sem ele.

E a esperança daqueles que acreditam que ele estará de volta, em 2021, depois do inacreditável empréstimo, podem começar a perder as esperanças.

Por trás dos escândalos com sua ex-mulher Mallu Ohanna há um plano traçado com seu meticuloso empresário André Cury.

E que foi explicado para o presidente Mauricio Galiotte, que autorizou a tola negociação que fez o Palmeiras perder seu mais desequilibrante jogador.

Dudu quer disputar a Copa do Mundo de 2022.

Pelo Qatar.

Emerson ganhou o apelido de Sheik por ter jogado na Seleção do Qatar

Emerson ganhou o apelido de Sheik por ter jogado na Seleção do Qatar

Reprodução Instagram

Há muito tempo ele percebeu o desprezo de Tite. Mesmo sendo sendo um dos três principais jogadores do país por anos seguidos, o treinador da Seleção Brasileira desprezou seu futebol. 

E Dudu sabia que não adiantaria ganhar, de novo o Brasileiro, ou reconquistar a Libertadores com o Palmeiras. Não teria chance de estar no Mundial daqui dois anos.

Foi quando dirigentes do Al-Duhail, além de oferecer os salários de R$ 4,3 milhões, disseram ao empresário do jogador, André Cury, da real possibilidade de o brasileiro se naturalizar qatariano e disputar a próxima Copa do Mundo.

Com a base jovem, o Qatar conseguiu o título inédito da Copa da Ásia, em 2019

Com a base jovem, o Qatar conseguiu o título inédito da Copa da Ásia, em 2019

Reprodução Twitter

Dudu jamais disputou um torneio oficial como profissional com a Seleção Brasileira.

Essa virgindade o possibilita de atuar por qualquer país do mundo, basta se naturalizar.

Apostar em estrangeiros naturalizados é uma assumida condição do treinador espanhol do Qatar, Felix Sánchez.

Ex-treinador do Barcelona sub-20, montou a Aspire Academy, escola formadora de jogadores.

Comandou as seleções de base qatarianas, sub-19, sub-20. Assumindo o time principal em 2017. São sete anos de trabalho para a montagem da equipe que disputará o Mundial.

Ele já utilizou jogadores nascidos na França, Portugal, Iraque, Argélia, Sudão e Egito.

Sánchez conseguiu uma façanha para o futebol qatariano, a conquista da Copa da Ásia, em 2019.

Com três jogadores do Al-Duhail.

O Brasil já teve jogadores que se naturalizaram qatarianos. Emerson Sheik é o principal. Rodrigo Tabata, que também teve destaque no Santos, fez essa opção.

Felix Sanchéz percebeu na Copa América do ano passado, que seu time precisa ser melhorado para confrontos com seleções fora da Ásia.

Mesmo assim conseguiu empatar com o Paraguai, em 2 a 2. Perdeu para a Colômbia por 1 a 0 e para a Argentina, por 2 a 0.

O treinador conta com jogadores jovens.

Aos 28 anos, no auge de sua forma, Dudu sabe que pode ter a chance que sempre sonhou. Disputar uma Copa do Mundo.

Dudu teve pouquíssimas chances na Seleção. Seu sonho é disputar a Copa de 22

Dudu teve pouquíssimas chances na Seleção. Seu sonho é disputar a Copa de 22

CBF

E Galiotte ouviu dele que merecia essa chance, depois dos cinco anos e meio de dedicação ao Palmeiras.

Além, é claro, de ficar longe dos escândalos com sua ex-mulher.

A situação é essa.

Se depender de Dudu, pensar no Palmeiras, só em 2023.

Seu sonho hoje é jogar muito bem no Al-Duhail, se naturalizar e conseguir uma vaga na Seleção do Qatar de Felix Sánchez. 

E jogar a Copa que será disputada em dezembro de 2022.

Luxemburgo que trabalhe.

E consiga aprimorar Willian, Rapahel Veiga, Lucas Lima, Zé Raphael, Rony e Gustavo Scarpa, se ficar.

Edmundo é um dos maiores críticos da saída de Dudu. Vê o desperdício, de novo

Edmundo é um dos maiores críticos da saída de Dudu. Vê o desperdício, de novo

Reprodução Instagram

Porque os dribles de Dudu não existem mais.

Assim como a explosão de Edmudo se foi em 1995.

O jogador quer colocá-los à disposição do Qatar.

Na Copa do Mundo de 2022.

Assim como suas lágrimas de felicidade.

Que foram muitas pelo Palmeiras...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Vinte dias após ser atingido por raio, goleiro volta a treinar na Rússia