Esportes Por sonho de F-1, garotos saem mais cedo do Brasil para competir no exterior

Por sonho de F-1, garotos saem mais cedo do Brasil para competir no exterior

O curitibano Augustus Toniolo tem planos detalhados para os próximos anos. Competir pelo Brasil, viajar para disputas nos Estados Unidos e depois se mudar de vez para a Europa. O cronograma digno de um esportista experiente pertence na verdade a um piloto de kart de apenas nove anos e ajuda a entender um fenômeno recente do automobilismo nacional. Pelo sonho de chegar à Fórmula 1, crianças e famílias se mobilizam cada vez mais cedo para deixar o Brasil. A aposta é que a saída precoce ajuda a abrir portas.

Décadas atrás os grandes pilotos brasileiros só foram se aventurar no exterior bem mais tarde. Ayrton Senna começou a competir na Inglaterra aos 21 anos e Nelson Piquet só iniciou a carreira europeia só aos 26. Rubens Barrichello e Felipe Massa só deixaram o País pouco antes de completar 20 anos. Hoje em dia o plano é sair o quanto antes, até para já competir no kart e acelerar a adaptação.

"É importante ir o quanto antes para a Europa. Pode ajudar também fazer o último ano de kart na Europa para se adaptar à cultura", explicou ao Estadão o piloto Sérgio Sette Câmara, piloto da Fórmula E e reserva da Red Bull. Aos 22 anos, ele já acumula seis anos de Europa. "Deixar o Brasil foi difícil. Tive de terminar a escola na Espanha. Minha família continuou no Brasil e tivemos de achar um tutor de confiança. Foi preciso vencer uma série de barreiras", relembrou.

O longo caminho até a Fórmula 1 e a necessidade de deixar o Brasil cedo não desanimam a família Toniolo. Para o ano que vem, se o calendário das competições for normalizado, o plano é correr uma temporada de kart nos Estados Unidos. O custo para se correr por lá é alto, em uma média de R$ 250 mil. Se tudo der certo, daqui dois anos o menino terá de morar na Europa e a mãe vai precisar acompanhar.

"O Brasil tem um nível altíssimo de pilotos, mas o que agrega correr no exterior é o equipamento. O kart é mais potente. Para quem almeja correr fora do Brasil, tem de sair cedo. É um esporte cada vez mais precoce", explicou o pai do kartista, Augustus da Silva Toniolo. Na preparação para a carreira, além de estudar inglês, o menino de nove anos já tem acompanhamento de uma psicóloga.

Matheus Ferreira tem 13 anos e desde 2018 compete na Itália, embora continue morando em Brasília. O pai dele, o empresário Victor Carvalho, viajou à Europa com o menino cerca de dez vezes no ano passado para acompanhá-lo em competições. A cansativa rotina de aeroportos e as longas horas de viagem se tornaram uma rotina que futuramente pode ser trocada pela residência fixa no exterior.

"O esporte na Europa é diferenciado na formação de pilotos. São quatro corridas por mês nos campeonatos, enquanto no Brasil às vezes é uma só. Hoje temos uns cinco meninos brasileiros que fazem a temporada toda no kart italiano, mas isso deve aumentar", explicou o pai do piloto. A rotina do menino inclui atualmente aulas de inglês e treinos físicos acompanhados por um personal trainer.

A barreira de deixar o Brasil e fixar no exterior para seguir a carreira foi vencida há um bom tempo por Gabriel Bortoleto, de 16 anos. Atualmente na Fórmula 4 Italiana, o piloto deixou o Brasil com apenas 11 anos. Em vez de morar com os pais, agora ele vive com o treinador. "Deixar o filho de 11 anos morar sem a família por perto foi um sacrifício para os meus pais. Ainda tem a saudade e a confiança", contou.

Pelo menos agora o garoto se diz mais independente. Ele já se vira na cozinha com alguns pratos mais fáceis, entre eles o macarrão, aprendeu a falar outros idiomas e está mais maduro. "Se você quer seguir a carreira rumo a Fórmula 1 sair cedo do Brasil é 120% importante. Não tem como seguir uma carreira internacional e ficar muito tempo no Brasil", explicou.

Últimas