Olimpíadas Novos tempos! Coronavírus faz Ana Marcela Cunha 'nadar no seco'

Novos tempos! Coronavírus faz Ana Marcela Cunha 'nadar no seco'

Multicampeã na maratona aquática, atleta não pode utilizar piscinas para treinos por causa de pandemia. Ela é uma das favoritas nos Jogos de Tóquio

  • Olimpíadas | Do R7

Tecnologia ajuda Ana Marcela

Tecnologia ajuda Ana Marcela

Divulgação/Ajinomoto

2020 tinha tudo para ser um ano especial na vida de Ana Marcela Cunha. A maratonista aquática, multicampeã na modalidade e eleita seis vezes a maior nadadora de águas abertas do mundo, era uma das grandes esperanças de medalha para o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Porém, a pandemia de coronavírus fez com que a competição fosse adiada para 2021. E os planos de Ana Marcela tiveram que mudar. Com a proibição do uso de piscinas imposta pelas autoridades brasileiras, a atleta está "nadando" no seco. Isso graças a um equipamento ergonômico no qual é possível simular a movimentação e o esforço feito pela nadadora na piscina.

"A Ana não usa apenas equipamentos de ginástica como medicine ball, querobel e elásticos de todas as tensões. Solicitamos e conseguimos do COB (Comitê Olímpico do Brasil) um VASA, equipamento que coloca o atleta na horizontal, mesmo sentido em que ele aplica a força na água. Esse aparelho tem adaptações de elásticos e cada intensidade gera uma tração. Você consegue fazer séries por tempo, com número de repetições, com mais intensidade de potência, de resistência", explica Fernando Possenti, técnico de Ana Marcela.

"A maioria dos esportes é no meio terrestre e na vertical, o nosso é no líquido e na horizontal, é complicado treinar fora d'água. O que fizemos foi nos cercarmos do maior número possível de aparelhos que ela pudesse ter em casa", acrescentou.

Ver essa foto no Instagram

Que Iemanjá nos proteja hoje e sempre!!  @satirosodre

Uma publicação compartilhada por Ana Marcela Cunha (@anamarcela92) em

Possenti acha que o adiamento dos Jogos foi inevitável e que os reflexos disso sobre os atletas ainda não estão completamente definidos. "Vai afetar cada um de maneira diferente, tem relação com a especificidade do esporte, com a idade do atleta. A questão para avaliar isso não é presente, é futura: quanto tempo mais isso vai durar? O impacto é proporcional ao tempo que ficarmos nessa situação. Mas conhecendo a Ana, vendo como ela está reagindo, se cuidando, cuidando da nutrição, como ela, mesmo sem nadar, tem cuidado do peso fazendo todos os exercícios que o preparador físico passa e mais um pouco, acho que ela vai se manter bem", ressaltou o treinador.

'Não vejo a hora de voltar aos treinos'
Ana Marcela também está confiante. "Neste período de pandemia, estou conseguindo me exercitar diariamente. Não vejo a hora de voltar aos treinos regulares e poder me preparar melhor para competir em nível mundial, até porque a FINA já reagendou algumas provas do Circuito Mundial 2020 para o segundo semestre e quero ir com tudo para brigar por mais um título", disse ela, dona de 11 medalhas em mundiais (cinco de ouro, duas de prata e quatro de bronze), além do ouro na prova de 10 km nos Jogos Pan-Americanos de 2019, em Lima.

A retomada das competições internacionais ainda está indefinida. Caso o mundo consiga controlar a pandemia, o primeiro evento previsto no calendário da Fina (Federação Internacional de Natação) é o Mundial Junior de Águas Abertas, de 22 a 24 de agosto, em Seychelles, arquipélago na costa da África.

Muros do Corinthians são pichados com ameaças de morte a Andrés

Últimas