MP diz que investigação no Cruzeiro avançou e vai apresentar 'conclusão parcial'

O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) divulgou nesta quinta-feira um comunicado em que assegura ter avançado em alguns pontos da investigação sobre supostos crimes cometidos pela gestão anterior do Cruzeiro, que tinha Wagner Pires de Sá como presidente e Itair Machado como seu vice de futebol.

As investigações do MP-MG se iniciaram em maio de 2019 e são feitas com o apoio da Polícia Civil de Minas Gerais. De acordo com a procuradoria, a busca agora é por comprovações que permitam a apresentação das primeiras conclusões.

"As apurações estão em andamento por meio de Procedimento Investigatório Criminal instaurado no MP-MG e de Inquérito Policial, conduzidos em sigilo. As investigações estão evoluindo e avançadas em alguns pontos. O foco tanto do MP-MG como da Polícia Civil de Minas Gerais é a busca de provas de fatos que possam caracterizar a prática de crimes", diz, em texto publicado no seu perfil no Twitter.

De acordo com o MP-MG, nem todas irregularidades cometidas, porém, poderão ser levadas à esfera judicial. "Muitos fatos trazidos na representação, em notícias publicadas e em outras fontes, embora possam caracterizar irregularidades estatutárias e, até mesmo, ilícitos civis, fogem ao escopo dessas apurações", diz.

O MP-MG afirma que o surto do coronavírus dificultou a continuidade das investigações, mas assegura que não chegou a paralisá-las, especialmente porque elas estavam avançadas. "Apesar de limitações impostas pelo momento de pandemia do coronavirus, muitas análises estão sendo feitas a partir de material já existente, como documentos e informações obtidas em computadores apreendidos", afirma a procuradoria.

Até por isso, diz que conclusões parciais poderão ser apresentadas em breve, ainda que sem estipular uma data. "Não há como prever um término, mas trabalha-se com a ideia de uma conclusão parcial das investigações em relação a fatos em que a prova já seja satisfatória, prosseguindo-se em relação a outros fatos, em fases", conclui.

A investigação sobre a gestão anterior do Cruzeiro envolve crimes como falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Itair deixou o Cruzeiro em outubro, enquanto Wagner renunciou à presidência em dezembro, pouco depois do rebaixamento do clube à Série B do Campeonato Brasileiro.

Desde então, o Cruzeiro vinha sendo comandando pelo Núcleo Dirigente Transitório, um grupo de empresários. O time terá eleições presidenciais em 21 de maio, com mandato até o fim do ano, sendo que Sérgio Santos Rodrigues e Ronaldo Granata serão os candidatos.