Esportes Maratona do Rio terá prova online e doações para ajudar no combate à covid-19

Maratona do Rio terá prova online e doações para ajudar no combate à covid-19

Para se adaptar ao cenário atual, a Maratona do Rio de Janeiro, uma das principais corridas de rua do Brasil, terá sua versão online em 2020. Para seguir os protocolos das autoridades de saúde devido à pandemia do novo coronavírus, a organização do evento vai promover uma prova virtual por meio de aplicativo entre os dias 9 e 12 de outubro. As inscrições poderão ser feitas até sábado, dia 10. Outras provas virtuais estão sendo organizadas pelo País.

A maratona virtual é vista pela organização como uma solução em tempos de pandemia, quando o indicado é evitar aglomerações. "Para que os atletas possam continuar praticando o esporte que tanto amam, mantendo a saúde e o bem-estar, a tecnologia permitiu que a Maratona do Rio permanecesse no calendário dos corredores, amadores e profissionais, seguindo as recomendações de segurança. O inscrito poderá correr as provas de 5km, 10km, 21km e 42km, de qualquer parte do País, sempre em pista de rua e não em academia, com o auxílio do aplicativo", explica Fernanda Cozac, diretora de marketing da Maratona do Rio.

Os resultados ficarão disponíveis em tempo real na plataforma e também serão incluídos no site da maratona. O ranking será geral, sem a divisão por faixa etária. Outra novidade é que para cada quilômetro percorrido, uma quantia em dinheiro será doada à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para ajudar no combate à covid-19. Esse dinheiro vem da organização, de parte das inscrições.

Fernanda também conta que já era um desejo adotar o formato virtual pensando nos corredores que não podiam estar presentes na maratona em sua versão física. "Assim como fazem várias grandes maratonas pelo mundo, esse formato estava sendo estudado pelo time. Com a pandemia, aceleramos o plano. Acreditamos que o maior ganho dessa edição é a abrangência que a maratona virtual está tendo. Por ser um evento em que o inscrito poderá fazer o seu próprio trajeto e no horário de sua escolha, de forma ininterrupta, a Maratona do Rio atingiu pessoas que não podiam participar devido ao deslocamento até a cidade, estadia e outras questões financeiras."

Questionada sobre os critérios para avaliar os corredores, como a garantia de que o atleta executou a prova sem usar o suporte de algum automóvel, a diretora diz que "caberá ao participante executar as provas de forma ética e tentar fazê-las no menor tempo". "Entendemos que a maratona é um desafio a si mesmo. Muitos participantes treinam por um ano para garantir a boa performance. Não teremos como identificar se o inscrito contou ou não com a ajuda de um veículo", afirma.

A organização também acredita que a motivação dos corredores será mantida pelo fato de poder contribuir no combate à pandemia. "A maior perda, para quem não é do Rio, é não correr com a vista da Cidade Maravilhosa. A energia da largada de uma prova de rua também não será transferida para o virtual. Mas acreditamos que seja no Rio, em São Paulo ou em qualquer lugar do Brasil, os corredores escolherão o cenário que mais combina com a Maratona do Rio". Em um cenário pós-pandemia, a prova virtual ainda será analisada para edições futuras, mas sem abrir mão da maratona física.

Últimas