Lance Vajda sobre Djokovic: 'Domínio é tão grande que as pessoas têm inveja'

Vajda sobre Djokovic: 'Domínio é tão grande que as pessoas têm inveja'

Técnico expressa seu sentimento dos motivos pelo qual Djokovic é odiado

Lance
Lance

Lance

Lance

Em entrevista ao Tennis Majors, o eslovaco Marian Vajda, treinador de longa data de Novak Djokovic, afirmou que as pessoas têm inveja do número 1 por estar tão dominante no tênis. O sérvio venceu seu 20º título de Grand Slam.
"Tudo é muito complicado. Os meios de comunicação escrevem o que querem. Talvez para promover uma agenda ou para influenciar algo. Às vezes são unilaterais e não veem a complexidade da personalidade de Novak. Ele é fantástico, uma pessoa muito simpática e positiva, o que traz muita energia para os espectadores. Às vezes, as pessoas são a favor do azarão. Vendo Novak tão dominante, ninguém quer vê-lo vencer todos os Grand Slam. Seu domínio é tão grande que muitas pessoas ficam com inveja assistindo a tanta perfeição. Eles não acham que ele pode ganhar tantas coisas. Acho que Novak é um exemplo incrível para a geração mais jovem de atletas," disse Vajda que comentou sobre a final de Wimbledon na vitória contra Matteo Berrettini.

"Acho que ninguém testou Novak em Wimbledon em seu ponto mais alto. Para a final, disse à minha família que a partida seria decidida em quatro sets e haveria um desempate. Eu acertei. Novak joga muito bem na grama e é um dos tenistas ativos mais experientes. Há anos que se destaca nessa superfície, o que foi uma certa vantagem na partida contra Berrettini. Para Matteo foi muito difícil. Foi sua primeira final de Grand Slam e ele teve o azar de conheça Novak e em Wimbledon ".

Vajda comentou sobre a parceria com Ivanisevic no time: "Em primeiro lugar, como equipe, estamos compartilhando todos os momentos juntos e aproveitando a experiência. Não apenas nos divertimos nos preparando para os jogos ou na análise, mas também compartilhamos a paixão e as coisas privadas com nossas famílias. Novak é um cara incrível que sempre traz energia positiva. É uma bênção fazer parte do time dele. Nos Grand Slams, Goran e eu nos comunicamos todos os dias e analisamos tudo antes do jogo. O treinador que está presente naquele momento é quem dá ele a informação final para Djokovic. Goran fez isso em Wimbledon e eu em Roland Garros. Geralmente alternamos nisso. "

Entre os destaques o trabalho está a questão do saque: "As contribuições de Goran foram ótimas. Ele é o mestre nessa área. O serviço não é o mesmo que Goran tinha (risos), mas suas instruções foram semelhantes às que seu treinador fazia com ele em seu tempo como profissional. Novak agora tem o serviço muito mais rápido, fluido e enérgico. Se você parar para analisar, Novak está fazendo cada vez mais aces e seu serviço está mais controlado. Tem sido uma das chaves para o nível que ele está tendo hoje. "

-

"Os motivos são muitos. Os resultados costumam ser bons, mas é verdade que ele só venceu o torneio três vezes. É muito difícil vencer em Nova York. Em algumas ocasiões, ele perdeu na grande final. Novak adora jogar lá, mas às vezes é difícil manter a calma e controlar suas emoções durante os quatorze dias. Os jogos dia e noite, a umidade, a cidade ... Além disso, é o último Grand Slam da temporada e geralmente você chega um pouco cansado do grande número de torneios que já disputou. "

São apenas três títulos no US Open, o Grand Slam que pode dar o feito que ninguém conquista desde Rod Laver em 1969: "Os motivos são muitos. Os resultados costumam ser bons, mas é verdade que ele só venceu o torneio três vezes. É muito difícil vencer em Nova York. Em algumas ocasiões, ele perdeu na final. Novak adora jogar lá, mas às vezes é difícil manter a calma e controlar suas emoções durante os quatorze dias. Os jogos dia e noite, a umidade, a cidade ... Além disso, é o último Grand Slam da temporada e geralmente você chega um pouco cansado do grande número de torneios que já disputou. "

Vajda projeta mais dois até quatro anos de bom tênis para o pupilo: "Procuramos viver o momento, porque projetar o futuro à longo prazo pode ser contraproducente. Posso dizer que ele tem dois, três ou quatro anos neste nível. Não sei. A única coisa que sei é que ele não está perto de parar. Não, eu quero limitar isso. Ele quer jogar ano após ano porque sua paixão pelo tênis ainda está lá".

Últimas