Lance Rune: 'O publico me gritava e quase me senti como Federer'

Rune: 'O publico me gritava e quase me senti como Federer'

Vítima de Djokovic na 1ª rodada do US Open, jovem dinamarquês conta a aventura de jogar o US Open

Lance
Lance

Lance

Lance

O jovem dinamarquês Holger Rune utilizou seu blog no site da federação internacional de tênis (ITF) para contar como foi sua primeira experiência competindo na chave principal do US Open. O tenista falou sobre enfrentar Novak Djokovic.

O jovem inicia o texto contando que precisou negociar com seu treinador, Lars e sua mãe, Aneke, para poder disputar o qualificatório do US Open pela primeira vez: "eu treinador, Lars, está mais “jogando seguro” em termos de gols e como não havia torneios ATP Challenger antes ou logo depois do Aberto dos Estados Unidos, poderia ter acabado sendo uma viagem curta", escreveu.

A negociação com mãe e treinador tinha uma missão: melhorar as aspectos de seu jogo. "Aceitei o desafio e levei-o a sério, vencendo dois eventos ATP Challenger - em San Marino e Verona - em agosto, o que significa que partimos para o US Open e fiquei muito animado".

Jovem contou que "adorou a atmosfera" do quali e detalhou a partida da final do quali contra o alemão Mats Moraing: "Fiquei extremamente nervoso e meu adversário sacou como se John Isner! Com 5-3 no terceiro set, começou a chover e a partida foi atrasada", contou o jovem que se acalmou ao conversar com a mãe sobre as possibilidades de cenários para o retorno do jogo.

Garantindo na chave principal, Huge teria pela frente o maior desafio de sua carreira, enfrentar o número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic: "Fiquei sem palavras e meu coração começou a bater no que parecia 200 batimentos por hora. Foi tão louco. Este é um jogador que admiro muito. Treinei com ele em Mônaco e ele não é apenas bom, é excepcional - o jogador completo", escreveu Rune.

"Por sorte, faltava três dias para a minha partida, então tive tempo de me acostumar com a ideia de enfrentar a Arthur Ashe com Djokovic do outro lado da rede, sem esquecer também que a partida seria disputada em frente a um estádio cheio", seguiu.

"Quando chegou a hora da partida, foi fabuloso. Todo mundo estava torcendo e as pessoas gritavam meu nome. Inicialmente, não sabia o que eles estavam falando, mas quando descobri que estavam chamando meu nome, fiquei muito feliz e quase me senti como Roger (Federer) na quadra. Naquele momento, eu estava literalmente cercado por pessoas apaixonadas e felizes - assim como eu - estou arrepiado só escrever sobre isso agora", pontuou.

Rune ainda rasgou elogios a Djokovic, destacou seus pontos fortes de jogo e lamentou não carregar a partida para o 5º set. "Estou inspirado e quero melhorar muito. É por isso que é tão importante jogar torneios como este. Mal posso esperar para voltar ao US Open", pontuou o jovem destacando que vale a pena sonhar.

Últimas