Lance Martine Grael torce por vida longa a bordo do 'Danadão'

Martine Grael torce por vida longa a bordo do 'Danadão'

Além de Martine Grael, que foi a comandante, o barco contou com outras grandes atletas da vela nacional

Lance
Lance

Lance

Lance

O 53º Circuito Rio, realizado de 12 a 15 de novembro, com sede no Iate Clube do Rio de Janeiro, contou com vários grandes nomes da vela, incluindo a niteroiense Martine Grael, que velejou no 'quintal de casa'. A atleta de 31 anos é bicampeã olímpica, mas tem se arriscado na vela oceânica.


Junto com colegas velejadoras, elas competiram com o Danadão e terminaram em 17º na classe ORC. Foram 45 pontos, algo celebrado pela equipe que competiu apenas pela segunda vez.

Além de Martine Grael, que foi a comandante, o Danadão contou com outras grandes atletas da vela nacional, como Gabriela Nicolino, Gabriela Kidd, Marina Ardnt, além da campeã mundial na classe Snipe, Mila Beckerath. O time teve ainda Luciana Kopschitz, Isadora Dal Ri e Alice Brandão.

+ Tite faz mistério em último treino da Seleção Brasileira antes de embarcar para Doha

- Acho que o nosso time está bem jovem, junto há pouco tempo, mas a gente conseguiu ter um bom resultado e velejou em alto nível, chegando na frente de muita gente importante. Tivemos um resultado bem decente. E também é importante a vela feminina se mostrar no cenário nacional - comenta Grael.

- É uma dificuldade poder juntar toda a equipe. As meninas estão em um nível bom e, sempre que dá, a gente tenta correr umas regatinhas aí, até mesmo com outros barcos. A gente se adapta. Eu também tenho que me dividir com a vela olímpica, onde as funções são bem definidas, mas a gente acaba fazendo várias coisas ao mesmo tempo”, acrescenta Martine, que ganhou seus dois ouros olímpicos ao lado de Kahena Kunze, na classe 49er FX.

+ Qual é a maior seleção? Veja a classificação da “Copa do Mundo em pontos corridos” desde 1930

O barco foi 100% feminino, mas a competição teve embarcações masculinas e até mistas. Foram 21 equipes e o título na classe ORC ficou com a Phoenix. O Danadão tem uma história curiosa. Ele é um HPE30 e foi emprestado por um amigo delas, que já querem competir novamente.

- O Guilherme Rafare emprestou o barco para gente. É o segundo campeonato que a gente disputou com a embarcação. O primeiro foi na Semana de Vela de Ilhabela. Tenho que agradecer bastante pela oportunidade. A gente tem uma equipe razoavelmente jovem, mas está todo mundo aprendendo uma com a outra. Está sendo bem proveitoso - conclui a atleta.

Últimas