Lance Manipulação na Copinha: Polícia Civil diz que há segundo aliciador envolvido no caso

Manipulação na Copinha: Polícia Civil diz que há segundo aliciador envolvido no caso

A polícia de São Paulo investiga se há outros casos de manipulação na competição

Lance
Lance

Lance

Lance

Após surgir um novo caso de manipulação no futebol brasileiro, desta vez na Copa São Paulo de Futebol Júnior, a Polícia Civil identificou e indiciou, na terça-feira (9), Jiuliano José da Silva Bezerra, por aliciar um goleiro do Nacional-SP, oferecendo R$ 10 mil para ele sofrer dois gols na partida contra o Avaí-SC. Segundo a investigação, o aliciador não era o único envolvido no caso.

Em entrevista exclusiva ao Lance!, o delegado César Saad, da Drade (Delegacia de Polícia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva), disse que Jiuliano tinha um amigo que também estava aliciando o jogador. Ele ainda não foi identificado.

- No mesmo dia nós identificamos uma segunda pessoa que estava com ele nessa tentativa de manipular o resultado da partida. Ele estava com mais uma pessoa que agia com ele, para oferecer o dinheiro para o atleta. Essa pessoa também vai ser identificada nos próximos dias e também vai ser encaminhada para delegacia, onde passará pelo mesmo procedimento e vai ser indiciada - contou o delegado.

Jiuliano aliciou o jogador por meios de mensagens escritas e por áudios, e ofereceu ao atleta R$ 10 mil para sofrer dois gols na partida entre Nacional-SP e Avaí-SC, pela terceira e última rodada da fase de grupos da Copinha. A denúncia foi feita pelo goleiro à Federação Paulista de Futebol (FPF), que levou o caso para a polícia.

Na partida, o Avaí venceu por 1 a 0, garantindo a classificação e a liderança da chave. O Nacional somou apenas um ponto e foi eliminado do torneio.

➡️ Siga o Lance! no WhatsApp e acompanhe em tempo real as principais notícias do esporte

Inicialmente, Jiuliano negou qualquer tipo de aliciamento do atleta, mas com as mensagens nas mãos da polícia, ele confessou o caso. Ele foi indiciado pelo crime de manipulação de resultado previsto na Lei Geral do Esporte. A pena vai de dois a seis anos de prisão.

Segundo o delegado César Saad, também está sendo investigado se há outros casos de manipulação de jogadores na Copinha. Jiuliano não tem outras ocorrências de aliciamento de atletas.

Últimas