Mais Esportes Com três medalhas, judô brasileiro iguala Mundial de 2019

Com três medalhas, judô brasileiro iguala Mundial de 2019

Brasil garantiu um lugar no pódio com Maria Suelen Altheman, Beatriz Souza e na disputa mista por equipes

Lance
Lance

Lance

Lance

O judô brasileiro fechou o campeonato mundial com uma vitória emocionante, de virada, contra a Rússia na disputa pelo bronze da competição por equipes mistas, no domingo. Beatriz Souza (+70kg), Maria Portela (70kg), David Moura (+90kg) e Ketelyn Nascimento (57kg) venceram suas lutas e garantiram o terceiro pódio para o Brasil em Budapeste. Com os bronzes de Maria Suelen Altheman e de Beatriz Souza, no individual, a equipe igualou o desempenho do último Mundial (2019), com três bronzes. A competição não foi realizada em 2020, devido à pandemia de Covid-19.

Também foi a terceira medalha do Brasil em Mundiais por equipe. Na primeira edição, em 2017, a Seleção foi prata, e depois levou o bronze, em 2019. O país se coloca entre os principais postulantes à inédita medalha olímpica por equipes, nos Jogos de Tóquio.

Na primeira rodada de domingo, a equipe composta por Ketelyn Nascimento (57kg), Maria Portela (70kg), Maria Suelen Altheman (+70kg), Beatriz Souza (+70kg), Eduardo Katsuhiro (73kg), Eduardo Yudy (90kg), Rafael Macedo (90kg) e David Moura (+90kg) venceu o Cazaquistão por 4 a 3 nas oitavas de final. As vitórias neste confronto foram garantidas por David Moura, Maria Suelen, Ketelyn Nascimento e por Maria Portela, que venceu na luta de desempate.

Nas quartas, o Brasil não conseguiu passar pelo Uzbequistão, e perdeu as quatro primeiras lutas, caindo para a repescagem.

Seria preciso vencer a forte seleção da Geórgia para avançar à disputa pelo bronze e o time brasileiro não decepcionou. Ketelyn bateu Eteri Liparteliani por waza-ari no Golden score; Tatalashvili empatou para a Geórgia com vitória sobre Eduardo Katsuhiro; Portela recuperou a vantagem brasileira, batendo Tchanturia nas punições; Rafael Macedo venceu o campeão mundial Avtandili Tchrikshvili com um belo ippon no golden; e Bia Souza não deu chances para Somkhishvili, jogando e imobilizando a adversá para marcar o quarto e definitivo ponto do Brasil.

Na luta pela medalha, a Rússia começou melhor, com vitória de Denis Iartcev (73kg) nas punições sobre Eduardo Katsuhiro Barbosa. Em seguida, Maria Portela (70kg) jogou Liluashvili, por ippon, no golden score, e deixou tudo igual, 1 a 1. No terceiro combate, Rafael Macedo (90kg) não conseguiu passar por Khusen Khalmurzaev e a Rússia retomou a vantagem no placar. Daí para frente, só deu Brasil.

Beatriz Souza (+70kg) jogou e imobilizou Daria Vladimirova até o ippon para fazer o 2 a 2. Na sequência, David Moura escapou de uma imobilização e jogou Alen Tskhovrebov para depois imobilizá-lo e garantir a virada para o Brasil.

Novata em Mundiais, Ketelyn Nascimento foi quem ficou com a responsabilidade de definir o confronto. No tatame, ela demonstrou frieza e agressividade para dominar Anastasiia Konkina no chão e segurar a adversária na imobilização até o ippon que garantiu o pódio para o Brasil.

- Foi puro nervosismo que eu entrei. E saí muito feliz, muito alegre. É muito difícil você definir uma pontuação e foi justamente o que caiu ali para mim. Depois que o David venceu, sobrou para mim decidir se a gente ia empatar ou ganhar. Foi uma adversária que eu nunca tinha enfrentado. Entramos com uma estratégia já montada e consegui, felizmente, a passagem de chão. Parece que tudo calhou para acontecer naquele momento. Ela virou certinho, eu consegui segurar até o fim. Dava para escutar o pessoal gritando “segura, segura”. Foi totalmente emoção como é uma competição por equipes - descreveu Ketelyn após a conquista.

Conheça Sabrina Jensen, mulher de Eriksen, que emocionou a todos

Últimas