Lance Luxemburgo fala sobre 'Palmeiras x Corinthians como nunca se viu'

Luxemburgo fala sobre 'Palmeiras x Corinthians como nunca se viu'

Técnico do Verdão relatou importância e também sofre o fato de participar do primeiro Dérbi sem público da história do clássico, disputado após quatro meses de paralisação

Lance
Lance

Lance

Lance

Da sala de entrevistas da Academia de Futebol, com fone, máscara e diante de um computador em que apareciam imagens de jornalistas fazendo perguntas, Vanderlei Luxemburgo falou sobre sua expectativa para um Dérbi inédito. Pela primeira vez, haverá um Palmeiras x Corinthians sem torcida, e o clássico em Itaquera será logo o primeiro da retomada do Campeonato Paulista depois de mais de quatro meses de paralisação por conta da pandemia do coronavírus.

- Será diferente de tudo. Está tudo diferente. Olha como estou dando entrevista, falando de um clássico. São quatro meses sem jogar. Demos base física aos jogadores, mas é totalmente diferente. Vão todos estranhar. Sem público, fica tudo diferente. Ninguém sabe o que pode acontecer. Será um Palmeiras x Corinthians como ninguém nunca viu. É até um privilégio participar de um jogo totalmente atípico assim. Mas é Palmeiras x Corinthians, né?

- Precisa de um trabalho diferente, muda o emocional, a parte psicológica é afetada por não ter público. A torcida ajuda bastante. Mas não quer dizer que vamos ganhar ou não por isso. Temos o trabalho de jogar não contra o torcedor, mas contra o adversário no campo. E faremos isso como se tivesse torcedor no estádio - respondeu o treinador.

A rivalidade tem um aspecto decisivo no clássico marcado para 21h30 desta quarta-feira: se o Corinthians não vencer, estará matematicamente eliminado, mesmo com um jogo ainda faltando para concluir a primeira fase do Estadual. Mas Luxemburgo garante que a motivação alviverde é se manter firme na briga para ter a melhor campanha geral - possui os mesmos 19 pontos do Santo André, que também faz parte do Grupo B, e está atrás só no saldo de gols.

- A rivalidade existe. O Corinthians quer ganhar, e nós também. O torcedor não aceita perder para o Corinthians, quer ganhar até par ou ímpar, cuspe à distância. Sei a responsabilidade que é jogar lá na arena deles ou no Allianz Parque. Mas o que vai acontecer com eles não nos interessa. Queremos ganhar para sermos os primeiros colocados em tudo e termos vantagem - afirmou.

O treinador também tratou de retirar ao máximo o aspecto decisivo do clássico. Luxemburgo lembrou que, nas finais do Campeonato Paulista de 1993, sofreu pressão por ter perdido por 1 a 0 para o Corinthians, com Viola imitando porco ao comemorar seu gol. Mas ratificou ao elenco que o importante era vencer a volta, na qual o Palmeiras ganhou por 4 a 0 e encerrou jejum de títulos.

- Tenho como característica trabalhar com a realidade do futebol. É um jogo importante pela rivalidade, e precisamos ganhar pelo resultado, para deixar o torcedor feliz, para termos a melhor campanha. Mas o campeonato não se decide nele. Senão, eu estaria roubado em 1993, porque todos falavam que o Corinthians seria campeão por ter vencido o primeiro jogo da final, e o Palmeiras estava há 16 anos sem ganhar título. Mas ganhamos o segundo jogo, que decidia. Por isso: uma coisa é a competição, outra é a rivalidade clubística.

Luxemburgo tem números positivos à frente do Palmeiras diante do Corinthians. Em 16 confrontos, conquistou sete vitórias, seis empates e apenas três derrotas. Foi com Dérbis em finais que conquistou não só o Paulista de 1993, mas o Torneio Rio-São Paulo do mesmo ano e o Brasileiro de 1994.

Últimas