Lance Jiu-Jitsu feminino cresce, ganha destaque e meninas pedem passagem nos principais eventos da arte suave

Jiu-Jitsu feminino cresce, ganha destaque e meninas pedem passagem nos principais eventos da arte suave

Eventos como o BJJ Stars dão cada vez mais oportunidades as mulheres, que hoje conseguem viver apenas do esporte

Lance
Lance

Lance

Lance

A luta das mulheres por direitos iguais no esporte aos poucos vem dando resultado. A disparidade em relação aos homens ainda é grande, seja no esporte ou no mercado de trabalho tradicional. São cargos e salários desiguais, poucas oportunidades, além de situações de assédio e violência que elas enfrentam diariamente. Mas um esporte em particular vem dando bons exemplos para diminuir a desigualdade de gênero. O Jiu-Jitsu feminino vem crescendo vertiginosamente e as oportunidades para as meninas são cada vez mais evidentes através de seminários, eventos de lutas casadas com premiação em dinheiro, e posição de destaque nas principais competições da arte suave. Uma das organizações que vem apoiando constantemente, tendo inclusive realizado um evento 100% feminino, é o BJJ Stars. Em sua última edição, realizada em junho, o evento contou com lutas casadas femininas, além da final do reality show com um duelo feminino.

“Eu sempre apoiei o Jiu-Jitsu feminino, premiando sempre as meninas em dinheiro também, inclusive em épocas que às vezes elas subiam no pódio sem lutar. Acho que o BJJ Stars contribui muito com o crescimento do Jiu-Jitsu, tanto masculino quanto feminino, pois fazemos um evento de excelência nos preocupando sempre com o tratamento dos nossos atletas, remunerando bem e montando um palco maravilhoso, trazendo as atenções do mundo para o dia das lutas. Com isso, colocamos os atletas na vitrine, gerando interesses de marcas, e até mesmo alunos. Acho que a quantidade de lutas femininas no nosso card é proporcional ao número de praticantes em cada gênero, mas creio que com o aumento de praticantes, com certeza podemos imaginar sim um evento meio a meio”, analisou Fepa Lopes, idealizador do BJJ Stars.

Uma das atletas mais experientes da atualidade e detentora de diversos recordes na arte suave, Beatriz Mesquita compete em alto nível há mais de 10 anos e, mesmo já tendo conquistado todos os maiores títulos com e sem kimono, continua competindo e inspirando muitas mulheres que querem viver do esporte. Atualmente a multicampeã mundial e hall da fama do esporte é uma das atletas mais bem remuneradas no esporte, somando patrocínio, seminários e lutas casadas com premiação em dinheiro. Ela ralou muito para chegar onde chegou e, com sua persistência, hoje é uma das atletas que mais contribui para o crescimento do Jiu-Jitsu feminino.

“Acompanho esse crescimento diariamente, e sei que estamos conquistando nosso espaço aos poucos. O número de atletas feminino vem aumentando muito e, principalmente, em eventos de luta casada como o BJJ Stars, nós conseguimos ver que o show que as meninas deixam no tatame é indescritível. Em uma das minhas participações, ganhamos a melhor luta da noite, isso entre umas 10 lutas de homens, incluindo campeões mundiais. Cada dia fica mais evidente que merecemos nosso espaço igualitário”, disse Bia.

Apesar de todo o crescimento das mulheres no esporte ao redor do mundo, é fato que o Jiu-Jitsu feminino ainda não conta com o mesmo peso do masculino, mas Bia Mesquita acredita que muito em breve isso irá acontecer.

“Ainda não temos o mesmo peso do masculino, mas eventos como o BJJ Stars vem dando bastante espaço para o Jiu-Jitsu feminino sim, principalmente porque o público pede e gosta do show que deixamos em cada edição. Mas eu só acredito que vai ser igual quando tivermos o mesmo número de lutas no feminino e no masculino. Se tem 12 lutas no card, devem ser seis masculinas e seis femininas. Já tiveram quatro torneios masculinos e nenhum feminino. Eu não vejo ainda uma igualdade, mas sei que vamos chegar nesse ponto em breve”, concluiu a lutadora.

Últimas