Lance Halep: 'Sou vítima de uma injustiça'

Halep: 'Sou vítima de uma injustiça'

Romena ainda acredita em inocência e sonha jogar a Olimpíada de Paris

Lance
Lance

Lance

Lance

Em entrevista ao Paris Match, a tenista romena Simona Halep disse ser uma vítima de uma injustiça diante do caso de doping. Ela terá a audiência em fevereiro onde buscará se defender.

“Há mais de um ano que luto para limpar meu nome", disse a ex-número 1 do mundo: “Sou inocente e ainda tenho fé. Acredito na justiça e não vou desistir. Continuo treinando e me preparando para o retorno às quadras. No momento não tenho equipe, então treino sozinha em Bucareste. É difícil encontrar motivação quando não há prazos desportivos e não se sabe o que o futuro nos reserva.”

“Passei por períodos em que não conseguia dormir e tive crises de ansiedade. Tenho a reputação de ser uma jogadora muito emotiva. Antes dos jogos, o estresse me causava fortes dores abdominais. Desde que fui suspensa, é como se convivesse todos os dias com aquelas dores e ansiedade, embora agora as coisas estejam um pouco melhores”, revela Simona que ainda mantém contato com sua psicóloga: “Conversar com alguém é sempre bom, ajuda a desabafar, aliviar-se um pouco e aprender a aceitar, embora no meu caso seja difícil porque sou vítima de uma injustiça. Sei que não fiz nada de errado e que não tenho nada pelo que me culpar. Ver as coisas desta forma me ajuda a combater a insônia”

“Minha equipe recomendou que eu tomasse um suplemento alimentar, o colágeno. Segui o seu conselho e descobri que o colágeno estava contaminado com roxadustat. O erro partiu do laboratório, cujo suplemento alimentar estava ali contaminado com uma substância dopante que não tinha motivo para estar ali. O nível encontrado na minha urina em 29 de agosto de 2022 é muito baixo para melhorar meu desempenho. Principalmente porque roxadustat não apareceu nos exames de sangue no dia do teste. Três dias antes, em 26 de agosto, os exames de sangue e urina deram igualmente negativos e nunca mais testei positivo. Não há dúvidas sobre a contaminação e foi isso que alegamos na Justiça”, afirma Simona.

“Após a suspensão provisória em setembro de 2022, continuei a fazer testes, aproximadamente a cada dez dias. Depois as coisas foram se acalmando aos poucos. Meu último teste de drogas deve ter sido em abril ou maio. No entanto, ainda estou sujeita à obrigação de ser geograficamente localizável. Tenho de informar as autoridades do meu paradeiro para que possam realizar verificações sem aviso prévio. Estou muito feliz por estar à sua disposição.”

“Foi a primeira vez que tomei colágeno e não sabia a marca que minha equipe havia escolhido. Uma atleta profissional se cerca de pessoas que têm que cuidar dela, da sua saúde e fazer com que ela tenha um melhor desempenho. Sempre confiei plenamente nas pessoas com quem trabalho. Não cabe aos atletas de alto nível fazer esses controles”, explica a romena, na busca de quem é o culpado pelo ocorrido ao longo do processo.

A chave para essa recomendação foi a figura de Patrick Mouratoglou, que foi seu treinador quando tudo aconteceu. Passaram apenas quatro meses desde o início dos trabalhos até aquele resultado positivo num controle antidoping, com Halep mostrando frieza para com o treinador francês: “Tenho a certeza que ele não o fez intencionalmente e agradeço que ele admita que o erro foi seu e sua equipe. Foram eles que me deram aquele suplemento nutricional. E por esse erro, o seu erro, sou a única que está pagando um preço alto. 25 anos da minha carreira destruídos! Não mantemos contato direto há vários meses. Não treino na Academia Mouratoglou desde o ano passado. Não trabalhamos mais juntos.”

Halep ainda tem esperanças de disputar a Olimpíada: "Deve ser assim. Há muito poucas chances de eu participar, então acredito e farei tudo o que puder para consegui-lo. Aconteça o que acontecer, estarei lá. Na pior das hipóteses, como espectador, porque será mágico. Eu amo Paris. É uma cidade onde, além dos sucessos desportivos, me sinto em casa. Se a sanção for mantida, não posso saber o que acontecerá nos próximos três anos ou como o meu corpo irá evoluir. Meu sonho é voltar, não importa quantos anos eu tenha. Uma coisa é certa: quero escolher como termina a minha carreira e não quero terminá-la em outro lugar que não seja na quadra. Acho que mereço isso depois de todo o trabalho que fiz ao longo dos anos.”

Últimas