Fred cita limites ultrapassados pelo Cruzeiro e diz: 'Caminho da rescisão indireta foi o único que me restou'

Atacante se manifestou publicamente pela primeira vez sobre o imbróglio envolvendo sua rescisão com o clube mineiro na Justiça

Lance

Lance

Lance

O atacante Fred utilizou as redes sociais para soltar uma nota oficial sobre o imbróglio com o Cruzeiro na Justiça. Na última quinta-feira, o clube mineiro entrou com ação contra a rescisão indireta do contrato do jogador com o objetivo de anular a multa de R$ 50 milhões cobrada pelo atacante.

No comunicado, Fred diz entender que um presidente eleito "esteja sedento para resolver os conhecidos problemas que assolam o Cruzeiro" e afirma evitar debates via imprensa com relação ao contrato dele.

- Acredito que polêmicas apenas geram mais polêmicas e em nada contribuem para uma melhor solução do problema, que deve ser sempre aquela com menor desgaste possível para todos os envolvidos. Infelizmente, não tem sido essa a postura do Presidente Sérgio Santos Rodrigues, que nunca me procurou para discutir qualquer assunto relacionado ao Cruzeiro. A sua postura, ao contrário, tem sido a de fazer colocações públicas carregadas de duplo sentido, tentando gerar no torcedor a ideia de que a minha negociação com o Clube foi repleta de irregularidades. Muitas vezes, em suas declarações, o Sr. Presidente tem ultrapassado a sutil barreira que separa a liberdade de expressão do respeito à dignidade de um profissional (extensível aos seus familiares). Justamente por entender que alguns limites têm sido ultrapassados é que irei me posicionar publicamente - escreve.

Na ação, o Cruzeiro pede que a reclamação inicial de Fred seja declarada inepta e que o processo seja extinguido sem a resolução do mérito. Além disso, quer que o contrato de trabalho seja validado novamente até que a reclamação do atacante seja concluída na Justiça. A defesa do clube mineiro ainda alega 12 motivos para mostrar que houve irresponsabilidade, "beirando a má fé", na resolução e andamento do acordo com Fred na gestão de Wagner Pires de Sá.

- Posso dizer, com absoluta tranquilidade, que as bases do meu contrato com o Cruzeiro seguem o padrão estabelecido ao longo de minha carreira, sem nada que possa ser considerado aberrante, anormal - diz Fred.

- Ao longo dos últimos anos, convivi com atrasos diversos no cumprimento dos meus contratos, algo que nunca foi exposto publicamente. Não bastasse isso, orientei os meus assessores a colaborarem com o Clube sempre que possível, em todos os aspectos. Reitero: a intenção jamais foi prejudicar o Cruzeiro. Apesar de compreender as limitações do Conselho Gestor, sentei-me à mesa com eles em mais de uma oportunidade, apresentei os valores da minha rescisão, disse estar aberto a uma composição, mas nunca obtive retorno - completou.

Caso a Justiça atenda o Cruzeiro, Fred não poderá seguir jogando pelo Fluminense. Ao menos até que se resolva juridicamente com seu ex-clube. Fred acertou o retorno ao Fluminense no final de maio, três meses após conseguir uma liminar que o desvinculava do Cruzeiro. Um dos motivos para a demora do acerto era justamente a insegurança jurídica. O Tricolor queria evitar um novo "Caso Scarpa".

- A decisão de ingressar na Justiça do Trabalho foi tardia e quase custou o fim precoce da minha carreira. Ao contrário da orientação dos meus advogados, confiava em uma liberação amigável, já que não era interesse do Clube a minha manutenção no elenco, com ou sem a revisão das bases financeiras. Essa hesitação quase me impediu de seguir trabalhando. Não recebia salários, não podia treinar com o grupo, a negociação para a minha liberação não avançava, o Clube ia assumindo novos compromissos, enfim, o cerco ia se fechando e uma decisão precisava ser tomada. O caminho da rescisão indireta foi o único que me restou - afirma o jogador.

Veja a nota na íntegra:

"Ao longo dos últimos meses, tenho notado um crescimento no número de entrevistas, declarações e notas à imprensa a respeito do meu contrato com o Cruzeiro Esporte Clube, especialmente da parte dos integrantes da nova diretoria, recém-empossada. É compreensivo (e até mesmo natural) que um Presidente eleito esteja sedento para resolver os conhecidos problemas que assolam o Cruzeiro, colocando toda a sua energia na tentativa de aproveitar o seu capital político atual, algo que tem sido lamentavelmente raro no Clube.

Até mesmo por compreender o momento, procuro evitar debates via imprensa. Acredito que polêmicas apenas geram mais polêmicas e em nada contribuem para uma melhor solução do problema, que deve ser sempre aquela com menor desgaste possível para todos os envolvidos. Infelizmente, não tem sido essa a postura do Presidente Sérgio Santos Rodrigues, que nunca me procurou para discutir qualquer assunto relacionado ao Cruzeiro. A sua postura, ao contrário, tem sido a de fazer colocações públicas carregadas de duplo sentido, tentando gerar no torcedor a ideia de que a minha negociação com o Clube foi repleta de irregularidades. Muitas vezes, em suas declarações, o Sr. Presidente tem ultrapassado a sutil barreira que separa a liberdade de expressão do respeito à dignidade de um profissional (extensível aos seus familiares). Justamente por entender que alguns limites têm sido ultrapassados é que irei me posicionar publicamente.

Os meus representantes foram procurados pelo Cruzeiro e acertaram a minha transferência para o Clube. A situação contratual com o Atlético e as minhas pretensões salariais foram expostas com absoluta transparência, como fazem prova os documentos que hoje são parte integrante de um desgastante procedimento arbitral e de uma ação trabalhista ainda em fase inicial. Posso dizer, com absoluta tranquilidade, que as bases do meu contrato com o Cruzeiro seguem o padrão estabelecido ao longo de minha carreira, sem nada que possa ser considerado aberrante, anormal. O processo que hoje corre perante a Justiça do Trabalho é público e os documentos estão lá à disposição de quem desejar acessá-los.

Alguns esclarecimentos adicionais são igualmente necessários. Ao longo dos últimos anos, convivi com atrasos diversos no cumprimento dos meus contratos, algo que nunca foi exposto publicamente. Não bastasse isso, orientei os meus assessores a colaborarem com o Clube sempre que possível, em todos os aspectos. Reitero: a intenção jamais foi prejudicar o Cruzeiro. Apesar de compreender as limitações do Conselho Gestor, sentei-me à mesa com eles em mais de uma oportunidade, apresentei os valores da minha rescisão, disse estar aberto a uma composição, mas nunca obtive retorno.

A decisão de ingressar na Justiça do Trabalho foi tardia e quase custou o fim precoce da minha carreira. Ao contrário da orientação dos meus advogados, confiava em uma liberação amigável, já que não era interesse do Clube a minha manutenção no elenco, com ou sem a revisão das bases financeiras. Essa hesitação quase me impediu de seguir trabalhando. Não recebia salários, não podia treinar com o grupo, a negociação para a minha liberação não avançava, o Clube ia assumindo novos compromissos, enfim, o cerco ia se fechando e uma decisão precisava ser tomada. O caminho da rescisão indireta foi o único que me restou.

Mesmo tendo consciência de que existem sempre dois lados para uma mesma história, não posso deixar de revelar a minha insatisfação com a politização do caso. O que tem buscado a atual gestão é transferir a responsabilidade pelo cumprimento de obrigações validamente assumidas pela instituição a dois antigos integrantes da administração passada. Se esse será o caminho, cabe apenas à justiça a decisão final.

Sigo tranquilo com o fato de que a questão foi submetida ao Poder Judiciário, que está absolutamente acostumado com assuntos mais importantes e com pressões muito mais intensas. Continuarei evitando entrevistas e declarações públicas, pois aprendi que as partes conversam com o Juiz por meio de petição redigida por seus advogados e não pela imprensa.

Frederico Chaves Guedes"