Lance Fortes críticas a arbitragem são feitas por Mano Menezes em revés do Bahia

Fortes críticas a arbitragem são feitas por Mano Menezes em revés do Bahia

Tricolor perdeu por 3 a 2 para o Defensa y Justicia na Sul-Americana e precisará de vitória com margem de gols para ir a inédita semifinal continental

Lance
Lance

Lance

Lance

A postura do técnico Mano Menezes depois de confirmada a derrota por 3 a 2 em casa contra o Defensa y Justicia foi de tentar achar o equilíbrio entre reconhecer os erros cometidos pelo Bahia e a participação da arbitragem no compromisso da Arena Fonte Nova.

Para ele, mesmo sem deixar de considerar que o seu time não jogou o futebol esperado onde "teve seus problemas", as decisões tomadas pelo quarteto capitaneado pelo equatoriano Guillermo Guerrero tornaram a atuação "catastrófica" em sua avaliação:

- Sobre a arbitragem, foi catastrófica. Não tem outra palavra para isso. Um árbitro que para quatro vezes para ir ao VAR no primeiro tempo, nessas quatro nunca demora menos do que cinco minutos. Ele tira do jogo o tempo que o jogo tem que ser jogado. É isso que está acontecendo e precisa resolver. Hoje foi muito grosseiro, discutível, tudo que aconteceu no primeiro tempo. E isso, logicamente, para equipe que sai perdendo, cria uma dificuldade, você não consegue imprimir ritmo para reação. Mesmo assim, tivemos um pênalti e perdemos, seria o gol de empate. Mesmo assim, empatamos e achamos que o lance de Gilberto é muito discutível como entendimento. Essas são as questões objetivas que estamos falando respondendo ao repórter.

- O Bahia teve seus problemas. E a gente não vai fechar os olhos para eles. Tentar resolve-los da forma que a gente acredita. Trabalhando sério, mostrando aos jogadores, recuperando moralmente. Esse é o trabalho do técnico no momento mais difícil. Vivemos, de novo, uma fase de queda de resultado - pontuou Mano.

No aspecto das chances de avançar precisando vencer tendo margem de dois tentos ou em resultados superiores a três gols para vencer somente com um de vantagem, o treinador do Esquadrão adotou a ideia da particularidade de cada confronto em uma eliminatória:

- - Mais complicada do que se tivéssemos vantagem, como fizemos nas oitavas. Mas é outro jogo, outra história, outra característica de adversário; um adversário que joga mais e deixa jogar. E isso abre a perspectiva de fazermos também um jogo bem jogado lá. E ser mais competente na hora de acabar a jogada, porque estivemos hoje duas, três vezes, frente a frente com o goleiro. Evitar erros que todos citaram, que foram erros defensivos e nos custaram esse primeiro resultado.

Antes de duelar para saber seu destino na Copa Sul-Americana, o Bahia visita no próximo sábado (12) às 19h pelo Campeonato Brasileiro o Palmeiras.

Últimas