Figueirense rompe acordo com empresa que administrava futebol

Contrato que vigorava com a Elephant desde agosto de 2017 foi marcado por problemas na relação que chegaram a ponto insustentável nesse ano

Nota oficial divulgada pela diretoria do Figueirense

Nota oficial divulgada pela diretoria do Figueirense

Lance

Por meio de uma nota oficial enviada para a imprensa e publicada em seu site na última sexta-feira (20), o Figueirense confirmou o rompimento do acordo com a empresa Elephant Participações Societárias S.A., administrada pelo empresário Cláudio Honigman e que, desde agosto de 2017, tinha o direito de gerenciar o futebol do clube.

Um dia antes, a rescisão entre as partes já havia sido emitida em nome das duas partes. Porém, logo depois, a mesma foi retificada para atentar ao fato de que o vínculo só estaria oficialmente desfeito com a devida assinatura do distrato, algo que ocorreu na última sexta.

Com a ideia de reorganizar as dívidas e atrair investimentos para fortalecer o projeto de transformar o modelo de "clube-empresa" em um projeto de sucesso, desde o início a relação entre os dois lados foi marcada por problemas essencialmente de repasse.

Até mesmo pelos problemas de orçamento, o clube teve um começo promissor dentro das quatro linhas chegando a liderar a fase classificatória do estadual com um plantel recheado de garotos. Porém, após a queda no Catarinense, as coisas foram ganhando tamanha proporção negativa com os atrasos salariais que greves de concentração e treinamento se tornaram constantes.

O ponto mais alto da crise (pelo menos no que já saiu do âmbito dos bastidores) ocorreu no último dia 21 de agosto quando o elenco do Figueira, mesmo estando na cidade de Cuiabá, em forma de protesto pelos atrasos salariais tanto a jogadores como a funcionários, se negou a entrar em campo na Arena Pantanal para enfrentar o time da casa pela Série B.