Edson Amaro e Simone Ferraz representam o Brasil no Sul-Americano de Maratona

Competição será disputada na Maratona de Buenos Aires, neste domingo. Prova é boa oportunidade para obter índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio

Lance

Lance

Lance

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) convocou Edson Amaro dos Santos (APA Petrolina-PE) e Simone Ponte Ferraz (Corville-SC) para representar o Brasil no Campeonato Sul-Americano de Maratona. A competição acontecerá durante a Maratona de Buenos Aires, no dia 22 de setembro.

Baiano de Juazeiro, Edson Amaro, de 35 anos, ocupa a quarta colocação no Ranking Brasileiro de Maratona, com 2h16m48s, tempo obtido em Pádova, na Itália, no dia 28 de abril. Já a catarinense Simone, de 29 anos, representante brasileira nos 3.000m com obstáculos nos Jogos Pan-Americano de Lima, está em terceiro lugar no Ranking Brasileiro dos 42,195 km, com 2h38m35s, marca obtida em Hamburgo, na Alemanha, no dia 28 de abril.

O técnico de Simone, Izair Elia Gazzoni Junior, também foi convocado para fazer parte da delegação na Argentina. Edson Amaro treina com Marciano Pereira Barros.

Edson Amaro já foi convocado no início do ano para o Sul-Americano, que seria na Venezuela. A competição, porém, foi adiada por causa de manifestações em todo o país naquela época.

Buenos Aires recebe Sul-Americano de Maratona pela quarta vez

A Maratona de Buenos Aires, que acontece no próximo domingo, já sediou por três vezes o Campeonato Sul-Americano de Maratona, em 2009, 2013 e 2018, será uma ótima oportunidade para os atletas de elite que desejam estar nas Olimpíadas de Tóquio, no ano que vem.

- Com o novo sistema de pontuação estabelecida pela IAAF, fundamental para a classificação para grandes competições, o Campeonato Sul-Americano de Maratonas ganhou uma relevância maior. E este ano a Maratona de Buenos Aires será importante para a elite sul-americana que busca classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio - afirma Daniel Sotto, presidente da Confederação Argentina de Atletismo, que este ano comemora 100 anos de fundação.

No ano passado, o queniano Emanuel Saina fechou os 42km da capital argentina com o melhor tempo da história das maratonas na América do Sul, com 2h05m21s. Em segundo lugar também ficou o também queniano Barnabas Kiptum, com 2h09m18s, seguido pelo peruano Cristhian Pacheco com 2h11m19s. Com este resultado, Pacheco foi o campeão do Sul-Americano de Maratona. O paraguaio Derlys Ramón Ayala, com 2h13m41s, ficou em segundo lugar no sul-americano. O melhor brasileiro foi Valdison Silva em décimo lugar, com 2h19m47s.

Entre as mulheres, a queniana Vivian Jerono Kiplagat ganhou com 2h39m03s. A segunda colocada a também queniana Leah Jerotich, com 2h32m57s e pela etíope Fikad Bosho Amelework, com 2h34m56s. Quinta colocada, a campeã sul-americana foi a equatoriana Rosalba Chacha, com 2h35m29s. A peruana Clara Canchanya, com 2h39m27s, foi a sexta no geral e segunda no sul-americano. Já a também peruana Celia MacHacuay terminou em sétimo no geral e na terceira colocação no sul-americano. A melhor brasileira foi Laura Marques, em 16° lugar, com 2h59m46s.