Disputa acirrada: volantes do Vasco ganham destaque com Ramon

Com Andrey mais avançado do que com Abel Braga e Fellipe Bastos titular, Marcos Junior e Raul já participaram do último jogo e Guarín terá time, em tese, entrosado quando voltar

Lance

Lance

Lance

A gestão de Ramon Menezes à frente do time do Vasco mal começou, mas já estimula a concorrência num setor já antes concorrido. Com as mudanças táticas e novas escalações de jogadores vistas no jogo contra o Macaé, no último domingo, os volantes sabem que a titularidade será um troféu a ser obtido.

Na primeira partida como treinador efetivado, Ramon fez de Andrey um volante menos zagueiro na saída de bola. Isto é, ele tinha de recuar menos do que com Abel Braga. Ao lado dele, Fellipe Bastos tinha liberdade e alternava entre o posicionamento mais atrás, mais à direita ou mais avançado.

- O Ramon conversou comigo e pediu que eu fizesse o lado direito, mas também já me viu de primeiro volante e mais perto do gol também. Consigo fazer as três funções. Gosto do lado direito, mais perto do gol, dou passe, posso finalizar, sei fazer o perde-pressiona - explicou Bastos, à Vasco TV, na última terça-feire. E concluiu:

- Eu não vou escolher onde jogar. Quero estar em campo, espero que o Ramon faça a melhor escolha e eu não vou escolher a função. Mas, se me perguntar, eu prefiro estar mais perto do gol, ali do lado direito, como foi contra o Macaé, e como me sinto à vontade - finalizou, quase que agradecendo.

De fato, a mobilidade de Fellipe Bastos foi visível. E ela se transforma em pauta quando ele é um dos antes renegados que ganharam vez. Mas o fato de meio-campistas defensivos ganharem protagonismo indica que a disputa promete.

Só no domingo, na partida de retorno, Marcos Junior substituiu Fellipe e Andrey deu vez a Raul. Este último tem características mais defensivas, embora tenha usufruído de oportunidades pela direita do meio-campo com Vanderlei Luxemburgo, ano passado. E se é para volante atacar, Marcos Jr fez três gols ano passado.

Isso tudo sem contar, naturalmente, Fredy Guarín. O colombiano, que completou 34 anos na última terça-feira, já demonstrou qualidade, antes e durante o período no Vasco que lhe indicam uma vaga no time até com certa naturalidade. Em tese, serão pelo menos cinco jogadores e duas vagas apenas.