Lance Com receio da variante brasileira do coronavírus, Colômbia proíbe seleção de basquete a entrar no país

Com receio da variante brasileira do coronavírus, Colômbia proíbe seleção de basquete a entrar no país

A equipe do Brasil enfrentaria Panamá e Paraguai nos dias 21 e 22 de fevereiro, pelas Eliminatórias da FIBA para a AmeriCup 2022. 

Lance
  • Lance | por Lance

Lance

Lance

Lance

O veto do governo colombiano impede a realização dos jogos de Brasil contra Paraguai e Panamá. O aumento de casos comunitários da variante brasileira em nosso país, pesou a favor da decisão. Anteriormente, a equipe brasileira se prepararia para estar em quadra na cidade de Cáli, já a partir do próximo domingo, dia 21 de fevereiro. Ambas as partidas seriam válidas pelas Eliminatórias da FIBA para a AmeriCup 2022.

Mesmo que esses jogos não venham a ser realizados, o time do Brasil já está classificado para a competição, uma vez que lidera o Grupo B de forma invicta e com quatro vitórias. A ideía do técnico Aleksandar Petrovic para esses dois jogos , era utilizar os jovens com intuito de dar maior rodagem a esses atletas. O treinador croata, inclusive, já estava em Cáli quando foi informado pela CBB do veto à entrada dos seus jogadores. O ingresso de Petrovic na Colômbia foi permitido já que o técnico estava na Croácia.

> Confira: Causa da queda de helicóptero de Kobe Bryant será anunciada na próxima terça
> Confira: Draymond Green: "A NBA precisa proteger os jogadores"

Após o anúncio da proibição, decretado pelo Ministério da Saúde colombiano, a Federação Internacional de Basquete (FIBA) tentou uma possível liberação em caráter excessivo junto à Federação Colombiano, entretanto, o pedido foi negado.

O diretor do Departamento de Epidemiologia da Colômbia, Sr. Julián Niño, emitiu um comunicado oficial justificando que o momento da pandemia vivenciado no Brasil impossibilita a entrada da seleção de basquete no país.

"Considerando a situação da pandemia atual e a emergência de uma variante no Brasil com um comportamento clínico e epidemiológico diferente, e para salvaguardar o direito à saúde, não poderão ingressar no país", afirmou o diretor.

Últimas