Lance Cicinho alfineta Palmeiras e relembra 2005: 'Pode ser tetra da Libertadores, mas a questão é o Mundial. Não tem'

Cicinho alfineta Palmeiras e relembra 2005: 'Pode ser tetra da Libertadores, mas a questão é o Mundial. Não tem'

Campeão do Mundial de Clubes pelo São Paulo em 2005, ex-jogador provocou o rival durante entrevista 

Lance
Lance

Lance

Lance

Irreverente como sempre, Cicinho não perdeu a oportunidade de provocar o Palmeiras durante sua participação no podcast "Flow Sport Club", desta segunda-feira (27). O ex-lateral relembrou a conquista do Mundial de Clubes pelo São Paulo, em 2005 e afirmou que o rival Alviverde só vai para o torneio 'passear'.

+ Luis Suárez perto de clube argentino, Grêmio anuncia Lucas Leiva… O Dia do Mercado!

- O Palmeiras, se for, vai passear de novo. Já foi três vezes lá dar tchauzinho e voltar. Não tem time para ganhar. A não ser que a Tia Leila (Leila Pereira, presidente do Palmeiras) traga o Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo para jogar o Mundial. Aí pode ser que ganhe - ironizou.

Cicinho alfinetou os recentes insucessos do Alviverde na competição de clubes da Fifa, exaltando o feito do Tricolor Paulista.

- O Palmeiras pode ser tetra da Libertadores, mas a questão é o Mundial. Aí não tem! E 'nóis' se abraça nisso! Libertadores pode ganhar 50! E na hora que ganhar um Mundial, a gente fala que ainda não ganhou três! A torcida do Palmeiras me ama - completou.

+ Cicinho confessa que já chegou bêbado em treinos do Real Madrid e da Roma

Após as provocações, o comentarista destacou que será difícil um clube sul-americano voltar a conquistar o Mundial de Clubes.

- Acho difícil um time sul-americano ganhar o Mundial, até pelas condições que chega. As equipes europeias (chegam) bem mais preparadas, em meio temporada. Os brasileiros já chegam bem cansados - falou o ex-jogador.

O comentarista do Arena SBT destacou a força mental do Tricolor naquela conquista e ressaltou a importância de Rogério Ceni e da boa arbitragem na decisão.

- Em 2005, o Rogério Ceni reuniu a galera e disse que o não a gente já tinha, ninguém estava acreditando em nós. Era para entrar e cada um dar o melhor. Conseguimos um gol e conseguimos nos defender bem. E contamos com uma noite brilhante da arbitragem que não precisou nem de VAR para dar impedimentos milimétricos - finalizou.

Últimas