Campello: 'Estamos prontos para voltar com a máxima segurança'

À Rádio CBN, mandatário diz que Vasco assinou carta da FFERJ para endossar trabalho dos clubes em meio à pandemia e diz se preocupar com condicionamento de atletas

Lance

Lance

Lance

O presidente do Vasco, Alexandre Campello, apontou os motivos que fizeram com que ele assinasse a nota da FFERJ na qual os clubes reforçam desejo de retornar às "suas atividades o mais breve que lhes for possível e permitido" diante da escalada da pandemia do novo coronavírus. Em entrevista à Rádio CBN na última sexta-feira, o dirigente destacou.

- A assinatura desta carta divulgada pela FFERJ tem por finalidade demonstrar ao poder público que os clubes vêm trabalhando no sentido de elaborar um protocolo para criar as condições necessárias e um ambiente de conforto e segurança para jogadores e comissão técnica - e, em seguida, frisou:

- Estamos prontos para a retomada do futebol, inicialmente com uma série de restrições no que diz respeito a contato entre atletas e membros da comissão técnica. Tão logo as autoridades entendam que seja possível, o regresso acontecerá com a máxima segurança possível - completou.

Campello mostrou-se preocupado com as condições físicas dos jogadores para a retomada do Cruz-Maltino após este período de paralisação.

- Temos que lembrar que os atletas estão parados por mais de 40 dias. Isto prejudica o condicionamento físico. É bem diferente do período de férias, quando eles ficam 30 dias descansando, mas podem disputar peladas e partidas beneficentes - declarou.

Em seguida, o mandatário falou sobre a rotina de atividades do Cruz-Maltino.

- Hoje, os atletas seguem uma cartilha confinados, mas ainda não chegaram a ter contato com a bola. O chute, que é importante para a resistência, eles não estão fazendo. Quando a volta for autorizada, este tipo de recuperação será mais longa - disse.

A nota de esclarecimento foi assinada por 14 clubes do Rio de Janeiro. Entre os 12 clubes que disputam atualmente o Estadual, apenas Botafogo e Fluminense não aceitaram o acordo.