Brasil é líder dos Jogos Mundiais de Praia em número total de medalhas

Último dia reserva três medalhas de ouro, no beach soccer, no beach tennis e no handebol

Lance

Lance

Lance

O Brasil encerrou a primeira edição dos Jogos Mundiais de Praia, em Doha (QAT), como líder no número total de medalhas da competição: 12, com cinco ouros, quatro pratas e três bronzes. Pelo número de ouros, o país, que foi representado por 77 atletas, encerrou em segundo lugar, atrás somente da Espanha, com sete.

– O saldo da participação brasileira é bem positivo. Participamos de nove modalidades e medalhamos em sete, mais do que todos os outros países e empatados com a Espanha. Posso afirmar que alcançamos todos os objetivos traçados. Esse resultado confirma que o Brasil é uma força mundial nos esportes de praia – afirmou Mariana Mello, Chefe de Missão do Time Brasil.

Outro número expressivo é o de atletas brasileiros que subiram ao pódio em Doha: 59 (ou 76,6% dos integrantes). Nesta quarta-feira, último dia de competições, o Brasil conquistou oito medalhas, com títulos no beach tennis (André Baran/Rafaella Miiller – duplas mistas), no beach soccer masculino e no handebol de areia masculino.

Das 12 medalhas, metade foi conquistada em provas femininas (dois ouros, duas pratas e dois bronzes). Já os homens trouxeram dois ouros e duas pratas. Além disso, o país conquistou um ouro e um bronze em disputas mistas.

BEACH SOCCER
Apesar dos últimos confrontos entre Brasil e Rússia apontarem para um equilíbrio, o que se viu na praia de Katara foi uma ampla superioridade da seleção masculina. Com vitórias nos três períodos, a equipe masculina goleou os russos por 9 a 3.

– Estou muito feliz com essa conquista, que é resultado de muito treino. Teve um gostinho ainda mais especial porque a nossa última derrota foi para a Rússia no ano passado – vibrou Rodrigo Costa, autor de um gol na final.

Brasil e Rússia também se enfrentaram na disputa pelo bronze do torneio feminino e, mais uma vez, a equipe verde-amarela saiu vitoriosa: 4 a 3, de virada.

– Tiramos um peso das costas. Não esperávamos chegar tão longe, mas lutamos muito por essa medalha. Tivemos a frustração da derrota na semifinal (para a Grã-Bretanha), num jogo que poderíamos ter vencido. Apesar da nossa seleção ser nova, estivemos muito focadas e concentradas para ir ao pódio. Ficamos felizes por termos cumprido o nosso papel – declarou Jasna Nagel, 36 anos, capitã da equipe.

HANDEBOL DE AREIA
Enquanto as mulheres conquistaram o bronze ao derrotar o Vietnã por 2 a 0 (26/14 e 23/18), os homens trouxeram a medalha de ouro numa partida emocionante contra a Espanha. Após perderem o primeiro período por 17 a 14, venceram o segundo por 19 a 18 e levaram o jogo para o shootout, que também terminou com vitória brasileira: 11 a 10.

– Foi suado em todos os aspectos. Ganhamos vários jogos no shootout e não poderia ser diferente agora na final. A Espanha jogou muito bem, foi uma partida de nível altíssimo e saímos vencedores. Comentamos antes do jogo que precisávamos entrar na história porque esta é a primeira edição dos Jogos Mundiais de Praia e porque passou a ser o único título que nos faltava – comemorou o especialista Bruno de Oliveira.

BEACH TENNIS
Nenhuma modalidade ganhou tantas medalhas quanto o beach tennis: quatro. Nesta quarta, André Baran e Rafaella Miiller foram ouro e Vinicius Font/Joana Cortez ficaram com o bronze nas duplas mistas.

Os quatro já haviam subido ao pódio na última terça, quando terminaram com a prata nas duplas masculinas e femininas.

BASQUETE 3X3
A seleção masculina conquistou uma inédita medalha de prata, após superar a Eslovênia nas quartas de final (18 a 10) e a Ucrânia na semifinal (14 a 13). Mas, na decisão, a equipe sub-23 perdeu para a Rússia por 21 a 19.

A equipe feminina, por sua vez, ficou a uma posição do pódio. Após alcançarem as semifinais, acabaram derrotadas pela França (13 a 8) e, na disputa pelo bronze, pela China (17 a 13).

VÔLEI DE PRAIA 4X4
Uma equipe de primeiro nível representou o Time Brasil na chave feminina do vôlei 4x4: Bárbara Seixas, Carol Horta, Fernanda Berti, Juliana Felisberta, Tainá e Rebecca. Comandadas pelos multicampeões Letícia Pessoa e Reis Castro, as brasileiras conquistaram a medalha de prata, após perderem para os EUA na final: 2 sets a 0, parciais de 21/16 e 21/9.

– Foi o primeiro torneio mundial disputado nesse formato. Demos o nosso melhor, mas infelizmente o ouro não veio. Os EUA foram bem, e nós não conseguimos impor o nosso jogo – explicou Rebecca, que ainda comemorou o anúncio das duplas brasileiras que representarão o vôlei de praia nacional em Tóquio 2020. Ao lado de Ana Patrícia, ela fará a sua estreia em Jogos Olímpicos.

– Estou muito feliz, é fruto de um ano de trabalho duro. Agora teremos um tempo curto de descanso e depois é voltar forte porque os Jogos Olímpicos estão logo aí – celebrou.