Banco não faz depósito e Justiça volta a determinar 'desbloqueio' milionário para pagar salário atrasado do Vasco

Caixa oficia no processo que corre no TRT-1 e não cumpre decisão judicial. Nova decisão dá 24 horas para que valor seja liberado para quitação de salários dos funcionários do clube

Lance

Lance

Lance

Na madrugada do último dia 6, o juiz José Monteiro Lopes, da 36ª Vara do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1), "desbloqueou" R$ 5 milhões do Cruz-Maltino, retidos há mais de um ano com a Caixa Econômica Federal, ex-patrocinadora do clube. Mesmo sem o Vasco ter em dia as Certidões Negativas de Débito (CNDs), o magistrado entendeu necessária a penhora do valor para o pagamento dos salários atrasados dos funcionários do clube - que estão em greve. O prazo para que o banco fizesse o depósito estourou e o juiz, nesta sexta-feira, reiterou a determinação para o banco, determinando o depósito do montante em juízo em 24 horas.

O processo corre em segredo de justiça desde a última quarta-feira, após pedido das partes. O LANCE! teve acesso aos autos. Na segunda-feira, a Caixa oficiou em juízo com argumentações para não atender a determinação judicial. O banco afirmou que os R$ 5 milhões retidos estão diretamente vinculados a obrigações de impostos, como o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o qual o Cruz-Maltino não vem efetuando o pagamento. Isto faz com que o Vasco não tenha as Certidões Negativas de Débito (CNDs) necessárias para o desbloqueio legal. O magistrado, porém, não aceitou os argumentos apresentados pelo banco.

A ação é do Sindicato dos Empregados em Clubes, Federações e Confederações Esportivas e Atletas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro (Sindeclubes) para o pagamento dos salários atrasados dos funcionários do clube. Não cabe recurso pelo fato das partes terem renunciado ao direito, sendo homologado o trânsito em julgado. Porém, a Caixa, que entrou como terceira interessada no caso, pode entrar com recurso em segunda instância caso entenda em não cumprir a determinação de primeiro grau mais uma vez. Pessoas dos bastidores ouvidas pelo LANCE! acreditam que este será o caminho que será seguido pela estatal.

No último dia 3, o próprio juiz José Monteiro Lopes já havia condenado o Vasco "a pagar os salários e gratificações natalinas de seus empregados referentes ao período de novembro de 2019 em diante, parcelas vencidas até o trânsito em julgado desta decisão", até o limite de R$ 6 milhões. A ação corria no TRT-1 desde o dia 9 de janeiro deste ano. O Sindeclubes colocou o valor da causa em R$ 5.913.234,51 na cobrança dos salários vencidos, acatado pelo magistrado. Na oportunidade, o Vasco reconheceu que "deixou de pagar os salários de seus funcionários, referentes aos meses de novembro e dezembro de 2019, assim como 13º salário de 2019" por conta da "grave crise financeira que assolou não somente o país mais especialmente os clubes, visto a escassez de patrocínios privados".