Apresentado no Atlético-GO, Jean fala pela primeira vez sobre agressão e se defende: 'Não sou esse monstro'

Ex-goleiro do São Paulo é acusado de violência doméstica contra a esposa Milena Bemfica, enquanto casal estava de férias em Orlando, nos Estados Unidos

Lance

Lance

Lance

Reforço do Atlético-GO para a temporada 2020, o goleiro Jean, ex-São Paulo, foi apresentado oficialmente na tarde desta quinta-feira pela diretoria do Dragão. A entrevista coletiva do arqueiro foi a primeira vez em que o jogador falou publicamente sobre o caso de agressão a sua esposa, Milena Bemfica, enquanto o casal estava de férias em Orlando, nos Estados Unidos.

Durante a entrevista coletiva, Jean teve a oportunidade de se pronunciar publicamente sobre o episódio, e aproveitou para pedir desculpas “a todas as mulheres”, além de afirmar que ele não é “esse monstro”. O goleiro ainda afirmou que não havia se pronunciado porque estava “impossibilitado pela Justiça Americana”.

– Peço desculpa a todas as mulheres que se sentiram ofendidas e a todos em geral. Tenho que agradecer ao Atlético-GO e ao presidente por abrirem as portas. Não sou esse monstro, nunca tinha tocado em ninguém, foi uma situação de momento, por fatos que vou esclarecer depois, mas que não justificam o ato – declarou o goleiro.

Sem se aprofundar no assunto, Jean disse que “toda história tem dois lados” e que ainda irá contar sua versão detalhada sobre os motivos que o levaram a agredir a sua esposa, apesar do arrependimento.

– Toda história tem dois lados, mas nada justifica a agressão. Fiquei totalmente errado. Não estou dizendo que pela história ter dois lados eu estou certo em agredir. Foi uma reação que eu tive. Nunca tinha agredido ninguém. Quem me
conhece há mais tempo se surpreendeu com o que aconteceu. Mas tem coisas que eu só vou poder falar em breve – disse Jean.

Abalado, o goleiro disse que cogitou encerrar a carreira como jogador de futebol e agradeceu a oportunidade do Atlético-GO.

– Pensei em parar de jogar num momento em que estava sendo atacado de todos os lados. Pessoas me xingando e me julgando em tom muito agressivo, ameaçando até de morte. Pensei, sim, em parar de jogar, sofri bastante, estou sofrendo. Se não fosse o Atlético-GO, meu contrato (com o São Paulo) estaria
suspenso e não teria como eu trabalhar para sustentar as minhas duas
filhas. De coração, agradeço muito ao clube – concluiu Jean.