Gabriel Paulista: 'Não quero perder um amigo ou familiar por pressão do dinheiro'

O zagueiro Gabriel Paulista, do Valencia, afirmou, nesta quinta-feira, ser contrário ao retorno das atividades do futebol durante a pandemia do coronavírus. O jogador vai contra dirigentes de algumas ligas europeias, que já autorizaram o retorno aos treinamentos.

"Os profissionais do futebol são pessoas privilegiadas, mas somos pessoas em primeiro lugar. Temos família, entes queridos e sentimentos", disse o jogador em suas redes sociais. "Sempre nos pedem para ser um exemplo e assim deve ser. Muitas crianças e jovens olham para nós. Vamos mostrar como exemplo à sociedade que valorizamos a vida e a saúde acima de tudo. Para mim, e tenho certeza que para a grande maioria dos jogadores de futebol, dinheiro não é tudo."

Atuando na Espanha desde 2017, o brasileiro expressou seu medo de contrair a doença se o retorno de La Liga não ocorrer com as mais altas garantias de saúde, sem risco de contágio. "Vamos jogar quando ninguém mais tiver medo disso e tivermos plenas garantias de que não há riscos. Caso contrário, se não nos derem garantias absolutas, vamos tomar exemplos de outros países que adotaram medidas mais fortes. Antes a vida e depois do futebol!", disse o defensor, de 29 anos.

Gabriel Paulista contou seus temores sobre a possibilidade de um contágio. "Não quero que nenhum membro da família, amigo, colega de trabalho ou profissão esteja doente ou morto por precipitar um retorno ou ter pressão econômica."

O Valencia foi time espanhol mais atingido pelo coronavírus, com 35% das pessoas infectadas do elenco principal. O clube de Mestalla relatou esse número em meados de março e jogadores como Garay, Gaya e Mangala admitiram nas redes sociais que tinham testado positivo para a covid-19. Todos os casos foram assintomáticos. "Eu amo o futebol, amo jogar, amo meu clube e queremos dar felicidade aos torcedores, mas também tenho amor e respeito à vida de cada ser humano", disse Gabriel Paulista.