Sob pressão, Ponte Preta pode ter mudanças para buscar a reabilitação na Série B

No meio de uma grande turbulência política, a Ponte Preta treinou nesta quarta-feira no estádio Moisés Lucarelli de olho na reabilitação no Campeonato Brasileiro da Série B. O técnico Gilson Kleina ainda não definiu o time para enfrentar o América-MG, sábado, às 19 horas, no Independência pela 32.ª rodada.

O treinamento foi fechado à imprensa, mas existe a expectativa de mudanças em relação à formação que perdeu, por 2 a 1, para o Vitória no compromisso anterior, em Campinas. O setor mais criticado é o meio-campo, que pode ser reforçado na marcação para tentar segurar a equipe mineira. O time ainda fará mais duas atividades antes do embarque. Um treino técnico na quinta-feira e um recreativo na sexta-feira.

Com a Ponte tendo 41 pontos, em 11.º lugar, o próprio Kleina não sonha mais em buscar o acesso. "Estamos focados agora é nos manter na Série B. Acreditamos que isso será possível com 45 pontos, então esta é nossa meta", explicou.

A torcida continua protestando contra a diretoria, sendo que faixas pedindo a saída do presidente José Armando Abdalla estão expostas na frente do Moisés Lucarelli. Um boato circulou que o dirigente poderia conceder entrevista coletiva nesta quarta para renunciar ao cargo.

A assessoria de imprensa negou o fato e ainda escalou para a coletiva o atacante João Carlos, que ainda não começou como titular em nenhum jogo. Para quem esperava ouvir as palavras de José Armando Abdalla, teve de se contentar apenas com as falas de João Carlos.