Sampaoli pede alto e Palmeiras prepara contraproposta; Santos terá reunião

O Palmeiras se reuniu na noite de quinta-feira com representantes do técnico Jorge Sampaoli para oficializar uma oferta. Na conversa, o clube soube quanto o treinador argentino quer receber para comandar a equipe paulista a partir de 2020: R$ 21 milhões por ano, contando os salários dele e de seus auxiliares. O time alviverde planeja uma contraproposta com valores mais baixos, entre R$ 15 milhões e R$ 18 milhões, mas com premiações altas em caso de títulos.

Enquanto seus representantes conversam com os dirigentes do Palmeiras, Sampaoli se diz focado em terminar o Campeonato Brasileiro na segunda colocação com o Santos. O treinador terá uma reunião com o presidente do clube alvinegro, José Carlos Peres, para avaliar o planejamento da próxima temporada e decidir se permanecerá na Vila Belmiro. Ele tem contrato até o fim de 2020, mas a tendência é de que faça a sua despedida após a última rodada do Brasileirão, neste domingo, no jogo contra o Flamengo.

O Palmeiras vê com otimismo a possibilidade de contar com Sampaoli. Dirigentes devem se reunir com os representantes do técnico argentino nos próximos dias para apresentar a contraproposta. O clube está sem treinador desde a demissão de Mano Menezes no último domingo.

Além do Palmeiras, outro clube interessado em Sampaoli é o Racing, da Argentina. O diretor de futebol do clube de Buenos Aires, Diego Milito, esteve no Brasil no fim de novembro para também conversar com Sampaoli. Na ocasião, o treinador já havia adotado o mesmo discurso de agora: só tomaria uma decisão após o Campeonato Brasileiro. "Expliquei (para Milito) sobre o foco até 8 de dezembro, quero fazer mais pontos, fazer história. Não quero ouvir outra possibilidade. Se posso analisar outra equipe para 2020, faltaria respeito ao Santos. E nunca faria. Não sinto isso", disse Sampaoli.

Na última quarta-feira, o treinador despistou sobre o seu futuro. "É um filme que não posso responder. Penso no jogo de domingo. Tenho contrato e não falei com o clube sobre minha situação aqui". Nos bastidores da Vila Belmiro, nem o presidente Peres acredita que Sampaoli permaneça, apesar do contrato vigente. Ao Estado, Peres disse que o clube tinha dinheiro para segurá-lo por mais uma temporada. Ocorre que os problemas entre o cartola e o treinador por causa do elenco não são novidades e isso poderia definir a saída do técnico.